FC Porto perde por 4-1 em Liverpool e adia apuramento

FC Porto perde por 4-1 em Liverpool e adia apuramento

 

Nuno Filipe Ortega-Lusa   Futebol   28 de Nov de 2007, 20:34

O FC Porto perdeu hoje por 4-1 com o Liverpool, em Inglaterra, em jogo da quinta jornada do grupo A da Liga dos Campeões em futebol, falhando a possibilidade de se qualificar antecipadamente para os oitavos-de-final
O FC Porto foi hoje goleado pelo Liverpool, por 4-1, em jogo da quinta jornada da Liga dos Campeões de futebol, mas manteve a liderança do Grupo A, bastando-lhe empatar na última ronda para alcançar os oitavos-de-final.
Com oito pontos, mais um que Marselha e Liverpool, o FC Porto, que não sofria quatro golos na Europa desde 1997/98 (4-0 com o Real Madrid), pode garantir a presença na próxima fase, tendo apenas de empatar com o Besiktas na última ronda, no Estádio do Dragão.
O jogo de Anfield Road parecia equilibrado até aos 71 minutos, aquando da entrada de Peter Crouch, que ajudou o Liverpool a encostar o FC Porto à sua área, acabando por conseguir golear, graças a três golos no último quarto de hora - Torres (78 minutos), Gerrard (83) e Crouch (87).
O FC Porto ainda chegou ao intervalo empatado, graças a um golo de Lisandro, aos 33 minutos, depois de Torres ter adiantado os "reds", aos 19.
O treinador do FC Porto surpreendeu com quatro alterações no "onze", em relação ao triunfo sobre o Vitória de Setúbal (2-0), com as entradas de Marek Cech para a lateral esquerda, Stepanov para o centro da defesa, Kazmierczak para o centro do terreno e Mariano no apoio a Quaresma e Lisandro Lopez.
De resto, tudo igual, com Jesualdo Ferreira a apostar no habitual 4-3-3, mas sem um ponta-de-lança claro, uma vez que Quaresma, Mariano Gonzalez e Lisandro Lopez a alternarem constantemente de posições.
Com táctica idêntica surgiu o Liverpool, comandado pelo espanhol Rafa Benitez, cuja mobilidade do meio-campo, muitas vezes auxiliado por dois dos avançados - Babel e Voronin -, causou dificuldades iniciais aos médios portistas.
Empurrado pelo seu entusiástico público - percebe-se por que no símbolo do Liverpool surge a expressão "You'll never walk alone" ("nunca caminharás sozinho") -, o vice-campeão europeu foi encostando o FC Porto para perto da sua área.
Aparentemente impressionados pelo ambiente, os "dragões" não conseguiam criar lances de ataque e a defesa, nervosa, dava algum espaço, como aconteceu aos 10 minutos, com o espanhol Fernando Torres a rematar à figura de Helton, depois de uma perda de bola de Paulo Assunção.
Sem que o campeão português mostrasse capacidade de poder vir a controlar os acontecimentos, o Liverpool adiantou-se no marcador, precisamente por Torres, que aproveitou um erro de marcação para cabecear para o fundo das redes, após um canto apontado por Gerrard.
Os adeptos do clube da cidade dos Beatles recordavam ainda, certamente, a última noite europeia em Anfield Road, em que o Liverpool impôs a maior goleada da história da "Champions" ao Besiktas, por 8-0, quando o FC Porto, sem que nada o fizesse prever, chegou ao empate.
Aos 33 minutos, "Kaz", que até ali tinha estado desaparecido do jogo, foi à linha de fundo e cruzou para a cabeça do inevitável Lisandro Lopez, que silenciou por alguns instantes as bancadas de Anfield.
O golo fez bem ao FC Porto, que, muito por acção de Lucho Gonzalez, conseguiu libertar-se da pressão contrária e Quaresma podia, três minutos depois, ter colocado o conjunto luso em vantagem, mas não aproveitou um "passe" de Mascherano, demorando muito tempo e permitindo o corte de Finnan.
No mesmo minuto, Lisandro teve mais uma grande oportunidade, mas Lisandro, isolado por Lucho Gonzalez, atirou ao lado.
Até ao intervalo, o jogo tornou-se mais rápido, com ambos os conjuntos a criarem lances de relativo perigo junto das áreas contrárias, mas sem que o marcador se voltasse a alterar.
Com o FC Porto menos afoito no ataque, mas mais seguro a defender, o momento do jogo acabou por ser a entrada do "gigante" Peter Crouch, aos 71 minutos, que veio proporcionar ao Liverpool um futebol mais directo, com o qual os portugueses não se deram bem.
Aos 76 minutos, Stepanov evitou o golo de Babel em cima da linha, mas dois minutos depois não pôde fazer nada perante a grande jogada indiviudal de Torres, que bisou e recolocou o Liverpool em vantagem.
O central sérvio voltou a estar em plano negativo, aos 83 minutos, quando colocou a mão na bola dentro da grande área e permitiu a Gerrard "matar" o jogo, antes de Crouch fazer o quarto golo e fechar a contagem, aos 87.
No entanto, em ambos os lances, o FC Porto pareceu prejudicado por faltas não assinaladas sobre Stepanov, primeiro, e Helton, depois.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.