Liga dos Campeões

FC Porto derrota APOEL e fica mais perto dos "oitavos"

FC Porto derrota APOEL e fica mais perto dos "oitavos"

 

Lusa/AO online   Futebol   21 de Out de 2009, 21:48

O FC Porto ficou hoje mais próximo dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões de futebol, ao derrotar em casa o APOEL de Nicósia, por 2-1, com um "bis" de Hulk, em jogo da terceira jornada do Grupo D
Dois golos de Hulk, que se estreou a marcar na Liga dos Campeões de futebol, valeram hoje ao FC Porto um sofrido triunfo sobre os cipriotas do APOEL, por 2-1, que reforçou as suas pretensões de apuramento para os oitavos-de-final.

Álvaro Pereira (22 minutos) ainda assustou com um autogolo (em lance dividido com adversário), mas o brasileiro Hulk (33 e 48, de penalti) deu a volta a um desafio que os "dragões" terminaram com apenas 10 elementos, por expulsão directa de Mariano (74).

Face à goleada que o Chelsea impôs ao Atlético de Madrid (4-0), os ingleses lideram o Grupo D com o pleno de nove pontos, seguido dos portugueses, com seis, enquanto espanhóis e cipriotas têm apenas um.

O FC Porto cedo verificou que os cipriotas lhe iam criar dificuldades, pois defendiam com grande rigor e saíam com alguma facilidade para o contra-ataque.

O primeiro verdadeiro perigo foi criado por Hulk (14), mas o seu vistoso slalom na direita culminou com um remate frouxo e ao lado, quando tinha Falcao em posição mais central. Quatro minutos depois, Rodriguez fez uma "bicicleta" na área, que pecou por sair à figura.

O APOEL ainda não tinha chutado à baliza (nem o fez na primeira parte) quando Hélio Pinto aproveitou o adiantamento de Fucile para cruzar para a pequena área onde Charalambides e Álvaro Pereira atacaram a bola a meias, acabando o uruguaio por ser autor do primeiro golo da história do conjunto de Nicósia na Liga dos Campeões (0-1).

Os "dragões" gelaram, até porque o adversário mostrava personalidade, coesão, e revelou alguma arte a guardar a bola, embora não "existisse" no último terço do terreno.

Depois de Bruno Alves ameaçar de livre, rente à trave, Falcao (33) aproveitou um erro adversário e assistiu na perfeição Hulk que, em corrida, chutou de primeira para o empate, dando mais justiça ao resultado.

Novo livre de Bruno Alves (38), agora na pequena área, foi desperdiçado e só deu um canto e aos 40 Mariano, à entrada da área, chutou de primeira, mas rente ao poste direito: os campeões nacionais remataram muito, mas acertaram pouco.

A segunda parte não podia começar melhor para os portuenses, pois Elia (47) desviou a bola com o braço e fez penalti (assinalado apenas pelo árbitro auxiliar) que Hulk converteu, virando o resultado.

O FC Porto podia ter praticamente sentenciado a partida aos 52, não fosse Falcao fazer o "impossível": Hulk cruzou e o colombiano, já sem oposição na pequena área, falhou escandalosamente o "encosto" fatal.

O desafio passou a ter sentido único, porque, ao invés da desenvoltura evidenciada no primeiro tempo, o APOEL deixou de revelar capacidade para chegar à área portista.

Os cipriotas apenas subiram e surgiram mais ameaçadores já nos últimos 20 minutos, principalmente a partir da expulsão de Mariano(74), que viu cartão vermelho directo por agredir um adversário.

Mesmo assim, não chegaram a criar muitos nervos, excepto quando Mirosavljevic (87), de cabeça na zona frontal, ainda assustou, mas errou o alvo, tal como Farias (82) que quase marcava nos escassos minutos em campo.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.