Exportações das farmacêuticas subiram 3,5% para os 410 ME em 2008


 

Lusa / AO online   Economia   18 de Out de 2009, 13:44

As exportações de medicamentos das farmacêuticas portugueses atingiram no ano passado os 410 milhões de euros, um crescimento de 3,53 por cento face aos 396 milhões de euros registados em 2007, segundo dados do Instituto Nacional de Estatística.

As exportações são o principal factor apontado pelas farmacêuticas portuguesas contactadas pela Lusa para explicar o crescimento do volume de negócios este ano, face à estagnação do mercado português.

O laboratório Lusomedicamenta espera crescer este ano 25 por cento para 40 milhões de euros, a AtralCipan prevê uma subida entre 8 a 9 por cento para 47 milhões de euros, o grupo Tecnimede deverá crescer 5 por cento para os 100 milhões de euros e o grupo Azevedos prevê acelerar 8 por cento para 126 milhões de euros.

O crescimento do volume de negócios esperado por estas quatro farmacêuticas, que fazem parte da marca PharmaPortugal, criada em 2005, deve-se, segundo os responsáveis, às vendas para o mercado externo.

Os responsáveis são unânimes em afirmar que a descida dos preços dos medicamentos, decidida pelo Governo, prejudicou o volume de negócios e conduziu à estagnação do mercado português.

A marca PharmaPortugal foi criada para dar visibilidade e promover a produtividade e competência das farmacêuticas nacionais nos mercados externos.

Segundo dados avançados pela Apifarma (Associação Portuguesa da Indústria Farmacêutica), as exportações das 14 empresas que integram a PharmaPortugal cresceram 130,7 por cento entre 2004 e 2008.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.