Açoriano Oriental
Ucrânia
Exército reconhece avanços da Rússia na segunda maior cidade do país

As forças armadas ucranianas reconheceram que as tropas russas estão a obter “sucessos táticos” em Kharkiv, segunda maior cidade do país, mas anunciaram ter atingido duas infraestruturas de produção de energia em duas regiões fronteiriças russas.

Exército reconhece avanços da Rússia na segunda maior cidade do país

Autor: Lusa/AO Online

“Na frente de Kharkiv, as operações continuam a ser complexas e mutáveis”, refere o exército ucraniano, em comunicado hoje divulgado, adiantando que as tropas russas lançaram 20 operações de assalto à região, das quais 14 estão ainda em curso.

Na última semana, foram registados mais de 830 confrontos na frente de Kharkiv, segundo o porta-voz do Estado-Maior General das Forças Armadas da Ucrânia, Dimitro Likhova, referindo que o número de ataques aéreos russos contra posições ucranianas e infraestruturas civis se eleva a 580.

“Atualmente, o inimigo tem alcançado sucessos táticos”, admitiu.

O porta-voz destacou ainda que a Rússia, apesar das “perdas significativas” que tem sofrido, conseguiu mobilizar mais cinco batalhões para tentar assumir o controlo da cidade de Vovchansk.

O ataque a Vovchansk, localizado a cerca de cinco quilómetros da fronteira com a Rússia, visa reconquistar o território que a Ucrânia conseguiu recuperar durante o primeiro ano de guerra e que conseguiu manter até agora.

A Rússia quer ainda fazer desta cidade fronteiriça uma zona tampão para evitar incursões ucranianas em território russo.

A Defesa ucraniana também anunciou hoje ter lançado hoje, através dos Serviços de Segurança da Ucrânia (SBU), um ataque com ‘drones’ contra um depósito de combustível localizado na região fronteiriça russa de Belgorod, provocando um incêndio na infraestrutura, e contra uma subestação de eletricidade em Lipetsk, no oeste da Rússia, avançou a agência de notícias nacional Ukrinform.

Nos últimos meses, a Ucrânia atacou mais de uma dúzia de refinarias e depósitos de combustível localizados no território da Federação Russa, numa tentativa de impedir o fornecimento de combustível às tropas russas que ocupam o seu território e de prejudicar a indústria petrolífera russa.

Estes ataques de ‘drones’ às infraestruturas petrolíferas russas causaram agitação nos Estados Unidos, cujos líderes apelaram à Ucrânia para que renunciasse a estas ações por receio de que provocassem uma escalada do conflito por parte da Rússia e desestabilizassem o mercado petrolífero internacional.


PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados