Saúde

Exames médicos mais caros em média nos Açores

Exames médicos mais caros em média nos Açores

 

Rui Jorge Cabral   Regional   27 de Nov de 2008, 10:14

Açorianos que recorrem ao privado para fazer exames complementares de diagnóstico pagam em média mais do que os continentais e nalguns casos bastante mais. Estudo da DECO revela que só na endoscopia os preços estão equilibrados. Exames à mama são os mais penalizados
Em oito exames médicos de quatro categorias, os preços praticados pelas clínicas e centros privadas dos Açores são em média mais elevados que os praticados pelas suas congéneres continentais. Os dados são da Associação Portuguesa para a Defesa dos Consumidores (DECO) e constam de um estudo nacional sobre os exames médicos publicado na mais recente edição da revista “Teste Saúde”.
Só nos exames de endoscopia, os preços entre as clínicas privadas dos Açores e do continente são equiparados. De resto, nos exames gráficos, no raio x e na ecografia, os preços médios praticados nos Açores são mais e às vezes mesmo muito mais elevados do que os praticados no continente.
O exemplo mais concreto dessa diferenciação é o dos exames feitos à mama. Segundo os dados da DECO relativos aos Açores, a que o Açoriano Oriental acedeu, uma mamografia - um exame essencial para a prevenção e diagnóstico de cancro - feita no sector privado no continente tem como preço mais frequente os 50 euros. Nos Açores, nas três clínicas analisadas, o mesmo exame varia entre os 70 e os 83 euros. Mas também uma ecografia mamária, que no continente tem como preço mais frequente os mesmos 50 euros, nos Açores, em oito clínicas e centros privados, só uma pratica um preço aproximado (52 euros). Nas restantes sete, o preço de uma ecografia mamária varia entre os 60 e os 80 euros.
Se a ecografia for abdominal (essencial para diagnosticar cancros, quistos ou inflamações de órgãos como o fígado ou o pâncreas), o preço mais frequente apurado pela DECO no continente foi de 50 euros, variando em nove clínicas e centros dos Açores entre os 60 e os 80 euros.
Mas há outros exemplos: um TAC da coluna lombar que no continente tem como preço mais frequente os 125 euros, nos Açores, em duas clínicas analisadas, os preços eram de 150 e 170 euros pelo mesmo exame.
Na categoria dos exames gráficos, um electrocardiograma, essencial para mostrar eventuais perturbações cardíacas, tem como preço mais frequente no continente os 15 euros, variando em seis clínicas e centros médicos dos Açores entre os 20 e os 27 euros. Um electromiograma e estudo da condução nervosa (localização e determinação de doenças dos tecidos e dos nervos) tem preços mais equilibrados, embora neste exame particular a amostragem da DECO seja muito pouco representativa: o preço mais frequente no continente é de 75 euros e no único centro analisado nos Açores é de 80 euros.
É preciso chegarmos aos exames de endoscopia para encontrarmos maior igualdade de preços entre os Açores e o continente. Uma colonoscopia, por exemplo,  tem como preço mais frequente, quer no continente, quer nos Açores, os 150 euros, podendo no entanto chegar aos 330 euros numa das seis clínicas analisadas pela DECO que disponibilizam este tipo de exame. A colonoscopia permite diagnosticar cancro nos intestinos e é um exame importante, uma vez que esse cancro desenvolve-se lentamente e demora tempo a produzir sintomas, pelo que a sua detecção precoce pode salvar uma vida.
Por fim, um exemplo em que os Açores invertem a tendência no preço dos exames complementares de diagnóstico praticados nas clínicas e centros médicos privados. Na endoscopia digestiva alta, que diagnostica úlceras, tumores e inflamações no esófago e estômago, os Açores até têm um preço mais frequente em quatro de cinco estabelecimentos analisados (90 euros) abaixo do mais frequente praticado no continente, que é de 100 euros. Mas os cuidados na realização de um exame não se ficam pelo preço.


Cuidado com o tempo de espera
O estudo da DECO, publicado na mais recente edição da revista “Teste Saúde” alerta sobretudo para uma questão que os utentes das clínicas e centros médicos privados devem ter em conta, sempre que lá forem fazer um exame por indicação de um médico e sujeito a comparticipação pelo Estado. É que em 15 desses estabelecimentos, num universo de 180 marcações de exames, a data do exame foi antecipada sempre que o utente da DECO disse que não se importava de pagar o exame na totalidade, abdicando da comparticipação a que a sua credencial lhe dava direito. Uma situação que é ilegal mas que, segundo o estudo da DECO, não aconteceu em nenhuma das clínicas ou centros analisados nos Açores. Recorde-se que a espera por um exame no sector público é normalmente muito grande.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.