Açoriano Oriental
“Esta é uma pequena grande conquista que fica para a história”

O treinador do Santa Clara considerou a qualificação para os quartos de final da Taça de Portugal como um “marco histórico” na vida do clube, sublinhando que são precisas novas conquistas para continuar a engrandecer e a valorizar os encarnados de Ponta Delgada no panorama do futebol português.

“Esta é uma pequena grande conquista que fica para a história”

Autor: Arthur Melo

No final da partida de terça-feira, em Moreira de Cónegos, depois do Santa Clara ter derrotado o Moreirense por 2-1, Daniel Ramos afirmou que o apuramento “é mais uma conquista, mais um marco histórico. É uma satisfação, não pessoal, mas coletiva. Era algo que o grupo queria: desenhar e escrever história. Para nos valorizarmos e sermos mais vistos como clube de I Liga, precisamos de conquistas. Esta é uma pequena grande conquista que fica para a história. Se pudermos, vamos continuar a fazê-las”, reiterou o treinador em conferência de imprensa.

De acordo com o treinador dos encarnados de Ponta Delgada, a vitória foi conseguida pela equipa que foi mais determinada e objetiva na procura do triunfo.

“Hoje, mais do que pensar no percurso do campeonato, queríamos passar a eliminatória. Fizemos por isso. Considero que a equipa que mais objetividade e mais determinação colocou no jogo venceu”, vincou Daniel Ramos aos jornalistas.

O treinador do Santa Clara destaca que as substituições que realizou no decorrer da segunda parte (Carlos Júnior entrou para o lugar de Diogo Salomão aos 65’, enquanto Nené rendeu Costinha aos 84’) acabaram por resultar em pleno, já que deram à equipa agressividade. Mas houve mais, como explicou o técnico: “com as substituições, para além de refrescar, pensámos que poderíamos trazer outra agressividade ao jogo. A entrada do Carlos Júnior trouxe-nos acutilância para atacar a baliza com mais objetividade. Com a colocação do Ukra na esquerda, ganhámos largura e criatividade e faltas. A meu ver, os lances de bola parada poderiam ser decisivos. O Nené também é jogador de duelos. A minha lógica de pensamento resultou. Por vezes, não resulta. A equipa demonstrou grande capacidade trabalho ao longo dos 90 minutos”, resumiu.

Em Moreira de Cónegos, o treinador Daniel Ramos apresentou um onze com sete alterações em relação à equipa apresentada no Bessa e a resposta dos jogadores deixou o técnico satisfeito.

“Fiz muitas alterações no onze, sete no total, mas com a convicção de que tenho uma equipa extremamente competente. E a equipa deu uma resposta muito boa. O plantel é equilibrado e isso é muito bom para o treinador e para os jogadores, porque sabem que dentro do grupo têm ‘sombras’ e precisam de trabalhar para ganharem o lugar”, finalizou o treinador que garantiu, para a o Santa Clara, a inédita presença nos quartos de final da Taça de Portugal.

PUB
 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.