Equipa de detectives privados abandona o caso Madeleine depois de receber 600 mil euros

Equipa de detectives privados abandona o caso Madeleine depois de receber 600 mil euros

 

Lusa / AO online   Internacional   24 de Ago de 2008, 20:33

A equipa de detectives privados que estava a investigar o desaparecimento de Madeleine McCann abandonou o caso depois de receber mais de 600 mil euros nos últimos seis meses, retirados do fundo criado para encontrar a criança.
    Segundo notícia hoje o jornal 'Daily Mail', a empresa de detectives, a Oakley International, que conta com ex-agentes dos serviços secretos britânicos e contactos no FBI, tinha sido contratada por seis meses para avaliar as pistas sobre o desaparecimento da criança.

    O contrato da companhia não vai ser renovado porque, de acordo com o jornal, o gestor do Fundo Madeleine McCann, Brian Kennedy, estava insatisfeito com o rumo das investigações, numa altura em que várias pessoas questionavam a forma como o fundo estava a ser gerido.

    Kennedy considerou que o valor cobrado mensalmente pelos detectives, 80 mil libras (cerca de 100 mil euros), era demasiado alto tendo em conta os resultados que iam apresentando.

    Depois de pagos os honorários à equipa de detectives, restam pouco mais de 600 mil euros no fundo, reunido com donativos públicos.

    Os pais de Maddie, Kate e Gerry - acrescenta o 'Daily Mail' - concordaram com a decisão.

    Madeleine McCann desapareceu de um 'resort' na Praia da Luz, no Algarve, na noite de 03 de Maio de 2007, nove dias antes de completar quatro anos.

    No início do mês o Ministério Público decidiu arquivar o caso, afirmando que não foram confirmados nenhum dos indícios pelos quais tinham sido constituídos arguidos os pais da menina.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.