Medicamentos

Empresas consideram "ilegal" decisão de baixar preços dos genéricos


 

Lusa/AO online   Economia   25 de Ago de 2008, 18:49

As empresas de genéricos manifestaram a convicção de que a baixa em 30 por cento no preço destes medicamentos é “ilegal” e “discricionária” e, por isso, recorrerão a todos os “mecanismos” para o provar.
Em declarações à Agência Lusa, Pedro Moura, director-geral da Generis, criticou a decisão, que será aplicada a partir de Outubro, por afectar apenas uma parte do mercado.

    O mesmo responsável referiu que se o preço de todos os medicamentos baixasse cinco por cento o impacto para o Estado seria superior ao esperado pela descida de 30 por cento.

    A fatia dos genéricos representa 18 por cento do mercado global e envolve grande parte de empresas farmacêuticas que “têm investido e comprado fábricas em Portugal”.

    “Em muitos casos, o custo industrial passa a ser superior ao preço, o que leva a prejuízos e à inviabilização da actividade das empresas”, notou Pedro Moura, que, assim, antevê o encerramento de unidades fabris ou desactivações parciais e consequentes despedimentos.

    Pedro Moura admite ainda que a decisão do Governo poderá ditar o fim dos medicamentos genéricos em Portugal e assim aumentar a despesa do Estado com medicamentos.

    A 14 de Agosto, o Conselho de Ministros aprovou o decreto-lei que determina a redução excepcional dos preços dos medicamentos genéricos, indicando uma poupança global de 47 milhões de euros até Dezembro.

    De acordo com as contas do Governo, os encargos para o Serviço Nacional de Saúde vão ser reduzidos em cerca de 34 milhões de euros até ao final do ano.

    Daquele valor, a poupança para os utentes é estimada em cerca de 11 milhões de euros e para o Estado em cerca de 22 milhões de euros.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.