Economista correu 800 km em Portugal para despertar ideias, sonhos e a criatividade dos portugueses


 

Lusa / AO online   Nacional   24 de Ago de 2008, 20:41

Um português formado em França, com um Mestrado em economia política tirado nos Estados Unidos, atravessou Portugal de norte a sul, a correr, para despertar ideias, sonhos e a criatividade de cada português.
    Efectuar a correr, em 15 dias, um percurso de 800 quilómetros, de Caminha a Sagres, foi para José Miguel Queimado uma forma de contactar com a população, de a incentivar a acalentar sonhos, ideias, e estimular a sua criatividade que, segundo disse, enferma de pessimismo e "mata à raiz" qualquer possibilidade de iniciativa.

    Especialista em economia política, Queimado, que começou a maratona dia 09 e a terminou sábado à noite, afirma que se instalou em Portugal uma crise psicológica, um paradigma de atitude pessimista.

    Para reverter esta tendência, Queimado defende a necessidade de "uma nova atitude, uma nova maneira de pensar e de ver as coisas".

    Foi exactamente por isso que foi criada a associação sem fins lucrativos "Sonho Alcançado", que garante a base e a estrutura jurídico-legal do "Acredita Portugal", projecto nascido em 2005 que procura ser um promotor de ideias que se alinham numa filosofia única: a necessidade de mudar a imagem que os portugueses têm do seu país, de sair da actual crise, e de relançar Portugal como uma potência inovadora e empreendedora.

    "O Acredita Portugal pretende fomentar a mudança na forma como abordamos as questões do dia-a-dia - pensar em possibilidades e soluções em vez de pensar em problemas e obstáculos -, acreditar que é possível realizar sonhos e concretizar projectos, para isso, estimula a apresentação de ideias e procura apoios para a sua concretização", afirmou.

    A associação criou o site www.acreditaportugal.org e a Maratona Acredita que pôs Queimado a correr 800 quilómetros durante os quais foi acarinhado pela população que lhe ofereceu em suas casas comida e bebida.

    Ao longo do percurso, as queixas que foi recebendo variaram. No Norte, "as pessoas estão preocupadas com a situação económica, a falta de trabalho e a pobreza", afirmou.

    Já no sul, "quando perguntava qual era o sonho das pessoas, muitas respondia que queriam a paz e o fim da criminalidade".

    A associação convida os portugueses a apresentar, no seu site, os sonhos ou ideias ou a vontade de fazer qualquer coisa acontecer.

    Todos os projectos serão analisados, garante Queimado, adiantando que serão seleccionados 10 finalistas e que, de entre esses, serão escolhidos por um Júri, os três projectos vencedores.

    Mas para a concretização desses sonhos ou projectos a associação precisa de doações que, com o espírito optimista dos associados, serão certamente suficientes para concretizar os três sonhos agora inatingíveis.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.