Saúde

Doentes de psoríase querem reconhecimento como doença crónica


 

Lusa / AO online   Nacional   20 de Out de 2009, 16:20

A esmagadora maioria dos doentes com psoríase gasta em média 200 euros por mês em tratamento, um valor incomportável para muitas famílias, que acabam por ter de optar entre medicamentos e alimentação, alerta a PsoPortugal - Associação Portuguesa de Psoríase.
A associação luta por isso pelo reconhecimento da psoríase como doença crónica para que os medicamentos possam ser mais facilmente adquiridos pelos doentes. A mais recente medida foi a entrega de uma petição na Assembleia da República com mais de 11 500 assinaturas, aproveitando o arranque da nova legislatura e as vésperas do Dia Mundial da Psoríase, que se assinala a 29 de Outubro.

"O essencial do problema é que a psoríase é uma doença crónica para nós [doentes] e para os médicos, que a tratam como tal, mas não é vista como uma doença crónica pelo Serviço Nacional de Saúde", disse esta terça-feira à agência Lusa o presidente da PsoPortugal, João Cunha.

"Isso faz com que muitos doentes estejam impedidos de realizar os tratamentos porque nem sequer conseguem adquirir os medicamentos", afirmou.

De acordo com a mesma fonte, um inquérito realizado junto dos associados da PsoPortugal revelou que a "esmagadora maioria das pessoas" tem uma despesa que ronda os 200 euros por mês.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.