Divídas hospitalares podem pôr em causa funcionamento das corporações

Divídas hospitalares podem pôr em causa funcionamento das corporações

 

Lusa/AO Online   Nacional   25 de Ago de 2011, 07:42

O presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses (LBP) alertou hoje para o risco de algumas corporações de bombeiros “paralisarem” caso o Governo não arranje uma solução para as dívidas que os hospitais têm para com estas associações de socorro.

Em declarações à agência Lusa, Duarte Caldeira referiu que “um pouco por todo o país” existem situações de dívida dos estabelecimentos hospitalares às corporações de bombeiros, essencialmente devido ao serviço de transporte de doentes, e apontou a situação da Póvoa do Varzim como sendo a mais preocupante.

“Registamos com particular gravidade a situação dos bombeiros da Póvoa de Varzim, porque estamos a falar de uma dívida de 150 mil euros. Desse valor, 120 mil dizem respeito a dívidas do agrupamento hospitalar da Póvoa de Varzim”, apontou.

Esta situação já tinha sido levantada à Lusa pelo presidente dos Bombeiros Voluntários da Póvoa de Varzim, Rui Coelho, que referiu que a corporação estava a “sufocar” financeiramente e que corria o risco de ficar sem dinheiro para o gasóleo, devido às dívidas do hospital.

Entretanto, a Liga dos Bombeiros já solicitou uma reunião com carácter de urgência ao ministro da Saúde e ao da Administração Interna para abordar esta e outras questões ligadas às estruturas de socorro, mas ainda aguarda uma resposta.

“Sem uma solução imediata do Governo temos a certeza que daqui vai resultar o colapso de muitas estruturas operacionais dos corpos de bombeiros do país. Por isso, vamos insistir nos próximos dias com o Governo no sentido de ser encontrada uma solução que ponha fim a esta situação gravosa”, sublinhou Duarte Caldeira.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.