Confraria para promover frango do campo nasce em Oliveira de Frades

Confraria para promover frango do campo nasce em Oliveira de Frades

 

Lusa / AO online   Economia   3 de Nov de 2012, 11:41

O frango do campo, criado à base de cereais, ao ar livre e lentamente, vai ser promovido através de uma confraria gastronómica constituída em Oliveira de Frades que tem o seu primeiro capítulo marcado para janeiro.

 

“O concelho de Oliveira de Frades foi pioneiro neste tipo de criação e tem sediada a maior empresa nacional produtora de frango do campo”, justificou à agência Lusa João Moitas, da Confraria Gastronómica do Frango do Campo.

Segundo João Moitas, a empresa Campoaves comercializa cerca de 75% da produção nacional de frangos do campo.

O representante lembrou que se têm realizado no concelho várias iniciativas ligadas ao frango do campo e que, apesar de na região existir já a Confraria dos Gastrónomos de Lafões, “dado que é mais abrangente, não teria uma dedicação tão grande” a este produto.

“Já em maio houve a proclamação de Oliveira de Frades como a Capital Nacional do Frango do Campo. Impunha-se que houvesse uma confraria específica para cimentar esta marca em Oliveira de Frades”, considerou.

Esta semana, durante a cerimónia de escritura pública, estiveram presentes cerca de 50 pessoas ligadas à avicultura e à gastronomia, dos concelhos de Oliveira de Frades, Vouzela, Tondela e Viseu.

João Moitas acredita que, em meados de janeiro, quando acontecer o primeiro capítulo, poderão atingir-se os cem confrades.

O frango do campo, explicou, “é muito diferente do de aviário, ou industrial”, começando pela cor das penas, castanhas e avermelhadas, “o que lhe confere logo alguma rusticidade”.

Quanto ao tempo que demora a chegar ao mercado, o de aviário “demora entre 30 a 35 dias para ser abatido”, enquanto o do campo “tem de esperar 81 dias, no mínimo”.

Por outro lado, “há um controlo muito rigoroso da alimentação, que é à base de cereais”, acrescentou.

Tudo isto leva a que, segundo João Moitas, a carne destes frangos tenha “uma textura totalmente diferente” da dos outros.

“Não é um frango bom para churrasco. Mas assado no forno, com batatinhas, quase que compete com a vitela de Lafões. E também é muito apreciado de cabidela”, explicou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.