Açoriano Oriental
Claques do Sporting demarcam-se dos cânticos na chegada da equipa aos Açores

As duas principais claques do Sporting, Juventude Leonina e Diretivo Ultras XXI, demarcaram-se esta segunda-feira dos cânticos entoados por adeptos no domingo, em alusão ao ataque a Alcochete, na chegada da equipa de futebol dos ‘leões’ aos Açores.


Autor: Lusa/AO online

Em comunicado, a Juventude Leonina repudia “categoricamente o ocorrido” e, apesar de confirmar a presença de elementos da claque nos Açores, assegura que não foram estes “a proferir um cântico evocativo de um episódio de que ninguém se pode orgulhar e, muito menos, contribuir para prejudicar um julgamento que está a decorrer”.

Já o Diretivo Ultras XXI esclarece, também em comunicado, que “nenhum dos seus associados esteve presente no aeroporto ou no hotel onde ficou alojada a equipa de futebol profissional do Sporting Clube de Portugal”.

No domingo, aquando da chegada dos ‘leões’ aos Açores, onde hoje vão defrontar o Santa Clara para a I Liga de futebol, dezenas de adeptos aguardaram a chegada da equipa ao hotel, onde entoaram cânticos como “Alcochete Sempre” (numa alegada referência ao ataque à academia de Alcochete) e "suem a camisola".

Poucas horas depois do incidente, o Sporting repudiou o “ataque feito à sua equipa de futebol”, considerando tratar-se de uma “manobra de coação” e que “louvar, promover, glorificar o dia mais negro da história do Sporting, em cânticos, é um incitamento à violência e ao ódio”.

Já hoje, o presidente do Sporting, Frederico Varandas, classificou os autores dos insultos à equipa como uma "escumalha que não tem mais lugar” no clube.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.