Jogos Paralímpicos

China abre Jogos com "hino" à transcendência e força de vontade

China abre Jogos com "hino" à transcendência e força de vontade

 

Alexandra Oliveira-Lusa/AO Online   Outras modalidades   6 de Set de 2008, 19:21

A chama paralímpica acesa por um campeão paralímpico chinês, içado numa cadeira de rodas até ao topo da pira, foi hoje o ponto alto da cerimónia de abertura dos Jogos Pequim2008, um "hino" à força de vontade e à transcedência
Depois de ter recebido a chama das mãos de Ping Yall, a primeira campeã paralímpica chinesa, que percorreu parte da pista com um cão-guia, Hou Bin foi içado dezenas de metros na sua cadeira de rodas, antes de o Estádio Ninho do Pássaro se “inundar” de palmas e fogo de artifício com o acender da pira.
Com uma cerimónia mais simples que a dos Jogos Olímpicos, mas igualmente plena de envolvimento, sincronia e cor, a China voltou a encantar o Mundo e a mostrar, como se propôs, que “toda a vida tem um valor, uma dignidade e um sonho”.
Baseando-se no símbolo dos Jogos Paralímpicos, que ilustra “Céu, Terra e Valores Humanos”, Zhang Yimou, criou um espectáculo dividido em três capítulos, durante os quais a cor e as palmas do público, intercalaram com momentos de calma. Os efeitos visuais... esses estiveram sempre presentes e encantaram.
Já com as 148 delegações presentes no Estádio, após um desfile que durou cerca de hora e meia, e no qual Portugal foi o 125º país a mostrar-se, um “pássaro do sol” surgiu do céu, para pouco depois o centro do relvado se transformar num imenso céu.
Depois de o "céu" do Ninho de Pássaro ter sido pisado pelo Grupo de Arte do Povo Deficiente Chinês, que brevemente vai actuar em Portugal, Li Yue proporcionou um dos momentos mais emocionantes da noite.
A menina chinesa de 11 anos, que ficou sem uma das pernas no terramoto que recentemente assolou Sichuan, provou que pode continuar a ser bailarina, num espectáculo de dança que encantou e emocionou.
Ao som do piano de Jin Yuanhui, cego, as quatro estações foram surgindo no centro do estádio, com o branco do Inverno a transformar-se como que por magia nos tons amarelos de Outono, depois de ter passado pelo tons mais coloridos da Primavera e do Verão.
Com o espaço coberto de árvores com flores cor-de-rosa, o presidente do Comité Paralímpico Internacional (IPC), Philip Craven, agradeceu o trabalho de todos os chineses na organização do evento, que termina a 17 de Setembro, e manifestou-se convicto de que “durante os 11 dias de competição todos os atletas vão dar o seu máximo”.
“Durante a competição vamos ver caras de derrota, de vitória, e de alegria, mas sobretudo o espírito paralímpico, aquele que quem vive nunca esquece”, disse Philip Craven.
Pouco depois, o céu encheu-se de cor, e o estádio de um barulho ensurdecedor, quando o presidente chinês, Hu Jintao, declarou oficialmente abertos, os Jogos Paralímpicos Pequim2008.
Até 17 de Setembro, a chama vai estar acesa no Ninho do Pássaro e mais 4.000 atletas, entre os quais 35 portugueses, vão tentar transcender-se, em busca de medalhas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.