Chefe português Vitor Sobral ensina 15 guineenses a cozinhar


 

Lusa/Ao online   Nacional   30 de Nov de 2007, 08:20

O chefe de cozinha português Vítor Sobral, que faz iguarias para presidentes, reis e dignitários que visitam Portugal, está na capital da Guiné-Bissau a ensinar a cozinhar 15 jovens funcionários das principais unidades hoteleiras de Bissau.
Vítor Sobral encontra-se em Bissau a convite da Universidade Colinas de Boé (UCB, privada) no âmbito de dez cursos promovidos por esta instituição de ensino para "melhorar as performances" dos guineenses no sector do turismo.

    As acções de formação foram co-financiadas pela União Europeia e o Banco Mundial, em 90 mil euros, de acordo com o Presidente da UCB, o ex-ministro dos Negócios Estrangeiros guineense João José Monteiro.

    Além do curso da cozinha, que decorre no Palace Hotel, única unidade hoteleira de cinco estrelas da capital guineense, a UCB também está a ministrar acções de formação nos domínios do protocolo e animação turística, orientados por especialistas portugueses.

    Em declarações à Agência Lusa, num intervalo de uma aula prática, Vitor Sobral salientou o "gozo" que tem sido a presença de uma semana em Bissau, para transmitir a sua experiência aos jovens e futuros cozinheiros dos principais hotéis da Guiné-Bissau.

    O chefe português destacou o facto de o país possuir "potencialidades" em termos de ingredientes " que dão para fazer de tudo um pouco" e o facto de a Guiné-Bissau se situar "a apenas quatro horas da Europa".

    Vitor Sobral está em Bissau pela primeira vez e desta visita ficou a vontade de fazer uma parceria para formar especialistas em culinária guineense.

    "Acho que isto é um paraíso", disse o cozinheiro português, destacando ainda o facto de a Guiné-Bissau ter um mar fantástico, faltando apenas, na sua opinião, a uma indústria turística.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.