CDU dos Açores quer um "desenvolvimento harmonioso" de todas as nove ilhas

CDU dos Açores quer um "desenvolvimento harmonioso" de todas as nove ilhas

 

Lusa/AO online   Regional   20 de Set de 2008, 22:27

A CDU/Açores defendeu hoje a necessidade de "um desenvolvimento harmonioso" nas ilhas ao nível económico e social, alegando que a meta "está por cumprir" devido a "sucessivos" Governos regionais socialistas que "aprofundam as desigualdades"
 "Um total de 700 pessoas que trabalham nos Açores no privado ganham mais de 10 mil euros por mês, enquanto que 55 por cento dos trabalhadores do privado auferem pouco mais que o salário mínimo", apontou o cabeça de lista da CDU/Açores por São Miguel e regional de compensação às eleições regionais de Outubro.
À margem de um encontro em Ponta Delgada para apresentar o compromisso eleitoral da CDU, Aníbal Pires preconizou aos jornalistas uma aposta na "coesão social e económica", assente, por exemplo, na formação de recursos humanos, para "acabar com as assimetrias nos ordenados". 
"Tem sido feita obra, mas têm-se esquecido as pessoas, o que tem criado profundas assimetrias ao nível do desenvolvimento regional", disse Aníbal Pires.
Segundo Aníbal Pires, as assimetrias acabam por ser evidentes nos baixos salários dos trabalhadores na região e uma população activa açoriana que tem os menores índices de qualificações profissionais.
Como forma de promover "um desenvolvimento harmonioso" das nove ilhas açorianas, a CDU preconiza a diversificação da economia regional, apoio às micro, pequenas e médias empresas e ao sector cooperativo.
"As grandes apostas tem sido feitas no turismo, o que é muito importante, mas nunca se pense que este sector possa vir a substituir o sector produtivo", frisou o coordenador açoriano do PCP. 
Quanto à questão dos transportes, a CDU defende que a região precisa de uma política "integrada e adequada" às necessidades dos cidadãos, que "sirva as pequenas economias locais de ilha e o todo regional".
"Até agora os transportes têm sido um factor de estrangulamento da economia regional pelas elevadas tarifas e taxas", criticou Aníbal Pires.
A coligação CDU/Açores, de que fazem parte o PCP e os Verdes defendem ainda no seu compromisso eleitoral que a formação de recursos humanos deve ser considerada "um eixo estratégico", tendo em vista também "a estabilidade das relações laborais". 
Confiante que a coligação vai conseguir voltar a eleger deputados para o Parlamento açoriano, Aníbal Pires alegou que a dimensão parlamentar que a CDU obtiver "pode ser decisiva" para "alterar politicas do PS" geradoras de "profundas assimetrias".
O programa da CDU propõe ainda a revisão do modelo de atribuição e acompanhamento do Rendimento Social de Inserção, um investimento na prevenção e nos cuidados primários de saúde e o aperfeiçoamento do Estatuto da Ultraperiferia.
No encontro de hoje, que serviu também para apresentar os primeiros candidatos às regionais, o ex-lider dos comunistas açorianos e mandatário regional da CDU para as eleições, deixou criticas à governação socialista no arquipélago, fazendo um paralelismo com o PSD.
"Há certas características que fazem lembrar o período áureo da governação de Mota Amaral e dos primeiros 20 anos", sustentou José Decq Mota.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.