Orçamento de Estado 2007

CDS-PP desiludido com cortes no investimento público


 

Lusa / AO online   Economia   28 de Set de 2007, 16:55

O CDS-PP manifestou sexta-feira a sua "desilusão" pelo corte no investimento público em 2007 como forma de reduzir o défice, considerando que o Governo continua a optar "pela via do facilitismo".
"O combate ao défice é bom para reformar a despesa pública, para a baixar a sério, e não para utilizar expedientes de última hora, como cortar no investimento público", salientou o líder parlamentar do CDS-PP, Diogo Feio, em declarações à Lusa.

A segunda notificação do procedimento dos défices excessivos divulgada quinta-feira pelo Instituto Nacional de Estatística mostra que o investimento público deve baixar 7,3 por cento (260 milhões de euros), para 3,3 mil milhões de euros, em 2007.

Os mesmos dados do INE mostram que o défice orçamental em 2007 deve baixar para os 3,3 por cento do Produto Interno Bruto (PIB), contra os 3,6 por cento antecipados há seis meses atrás, e que a dívida pública deve manter-se nos 64,8 por cento do PIB.

"A descida do défice tem sido feita à custa dos portugueses, das empresas e do aumento de impostos, em vez de serem efectuados cortes na despesa", concluiu Diogo Feio, para quem esta informação do INE "é uma má notícia".

"Este Governo que tantas reformas prometia continua a ir pela via do facilitismo. A nossa expectativa em relação ao próximo Orçamento é cada vez mais baixa", acrescentou o líder parlamentar democrata-cristão.

Se o investimento público se mantiver em 2007 ao mesmo nível de 2006, então o défice orçamental seria de 3,5 por cento do PIB, segundo os cálculos da Lusa, um acréscimo de 0,2 pontos percentuais face ao previsto pelo Executivo de Sócrates.

Em declarações aos jornalistas, o ministro da Presidência, Pedro Silva Pereira, reconheceu sexta-feira que o governo vai voltar a reduzir o investimento público em 2007, dada a necessidade de melhoria das contas públicas, mas mantendo uma preocupação de selectividade na escolha do investimento.

À margem da inauguração do 'Balcão Perdi a Carteira' na Loja do Cidadão das Laranjeiras, Pedro Silva Pereira disse que Portugal tem feito um esforço de redução do défice orçamental.

Tal meta será conseguida também à custa da "contenção da despesa corrente e da despesa em investimento selectivo", acrescentou o governante.

Os dados do reporte de défices excessivos encontram-se em contabilidade nacional, dadas as regras exigias por Bruxelas.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.