Educação

Carlos César anuncia apoios a manuais escolares

Carlos César anuncia apoios a manuais escolares

 

Lusa/AO online   Regional   9 de Set de 2008, 15:56

As escolas do ensino básico dos Açores vão receber, ao longo dos próximos anos, manuais escolares para permitir libertar as famílias das ilhas desta despesa, anunciou o presidente do Governo Regional.
“Nesta matéria, como em muitas outras, seremos pioneiros na alteração do paradigma do livro escolar, criando igualdade de oportunidades e libertando as famílias de despesas que podem ser canalizadas par outros investimentos na educação dos seus filhos”, afirmou Carlos César.

    O chefe do executivo açoriano falava na cerimónia de abertura do novo ano lectivo, assinalado com a inauguração das obras de ampliação de uma escola na freguesia do Pico da Pedra, na ilha de São Miguel.

    Segundo Carlos César, o Governo Regional distribuiu, este ano, pelas escolas todos os manuais de língua inglesa do primeiro ciclo, para assegurar que a “generalização desta nova disciplina não resultasse em qualquer acréscimo na despesa das famílias”.

    “Também se investiu, e se vai continuar a investir, na aquisição de conteúdos em suporte electrónico, permitindo às escolas e aos professores dispensarem a aquisição de manuais nas disciplinas por eles abrangidas”, disse.

    A abertura do novo ano lectivo nos Açores serviu, ainda, para o presidente do Governo anunciar que a região conseguiu “praticamente eliminar o abandono escolar” na idade de escolaridade obrigatória, que se situa nos 0,3 por cento do total dos alunos.

    “Há pouco mais de uma década, ainda perdíamos 20 a 30 por cento dos alunos durante a escolaridade obrigatória”, lembrou Carlos César, para quem o “grande desafio” passa agora pela “universalização da conclusão do ensino secundário” ou, em alternativa, de um curso profissional.

    De acordo com chefe do executivo açoriano, as aulas vão começar nas ilhas, ao longo desta semana, “com a normalidade que apenas pode ser conseguida num sistema educativo bem organizado”.

    As escolas açorianas estão, assim, preparadas para receber cerca de 46 mil alunos, 41.700 dos quais na rede de ensino regular e 4.200 nas diversas modalidades de ensino profissional.

    Segundo Carlos César, pela primeira vez em mais de uma década, verificou-se um acréscimo de matrículas no ensino secundário (mais 670 do que no ano anterior), o que demonstra os “bons resultados” das políticas de escolarização do Governo.

    Ao nível do corpo docente, o presidente do Governo garantiu que “longe vão os tempos em que as colocações de professores se iam fazendo ao longo dos meses de Setembro e Outubro”, o que se traduzia em “graves repercussões no aproveitamento escolar”.

    Salientou, ainda, que, pela primeira vez no arquipélago, foi possível eliminar os desdobramentos nas escolas por falta de salas de aulas.

    “Não existe, no corrente ano lectivo, nenhuma situação de desdobramento permanente, isto é, nenhuma escola vai funcionar com um turno de alunos da parte da manhã e outro da parte da tarde”, garantiu.

    Os alunos açorianos vão ser acompanhados por cerca de cinco mil professores e 2.500 funcionários não docentes.

    Os dois sindicatos de professores agendaram para a tarde de hoje conferências de imprensa para fazerem o balanço da abertura do novo ano lectivo na região autónoma.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.