Cardeal admite dificuldades


 

Lusa / AO online   Nacional   10 de Out de 2007, 16:26

O Prefeito da Congregação para a Causa dos Santos, o cardeal português Saraiva Martins, admitiu hoje dificuldades na validação clínica do milagre que sustenta o processo de canonização dos Pastorinhos Francisco e Jacinta Marto.
    "A Igreja é extremamente rigorosa quando se trata de milagres", justificou o cardeal, que hoje chegou a Fátima para participar nas cerimónias de inauguração da nova Igreja da Santíssima Trindade e nas comemorações da Peregrinação Internacional de Outubro.

    "Os promotores da causa de canonização apresentaram à Santa Sé um milagre, uma cura considerada como miraculosa de uma criança filha de emigrantes (na Suiça) que sofria de diabetes e durante um ano precisou de insulina", mas "no dia da beatificação dos pastorinhos, a mãe estava a ver a cerimónia de beatificação pela televisão" e pediu a intercessão dos vidente, tendo-se se alterado "completamente o seu estado de saúde", explicou o purpurado.

    Depois de o processo ter sido entregue em Roma, o Vaticano encarregou "um grupo de médicos especializados na diabetes" de avaliar se é "uma verdadeira cura completamente inexplicável à luz da ciência".

    Para tal, é necessário que a cura seja, "instantânea, completa e absoluta" com intercessão divina, mas caso a análise médica não tenha essa conclusão "será preciso que haja outro milagre".

    Existem dois tipos de diabetes, um congénito que não tem cura e um outro que pode ser curado com o tempo, explicou o cardeal.

    "A dificuldade está em ver se a diabetes da criança era do primeiro tipo ou do segundo tipo: se for do primeiro, então é claro que o milagre era evidente", mas "não é fácil avaliar" essa questão clínica.

    Por isso, "temos pedidos esclarecimentos aos médicos daqui" para avaliar a situação que neste momento se resume a "uma questão científica e médica".

    Caso os clínicos concluam que a cura poderá ter ocorrido por motivos naturais, será "preciso rezar aos Pastorinhos para que façam um outro milagre mais claro", acrescentou D.Saraiva Martins.

    A beatificação dos Pastorinhos foi sustentada num primeiro milagre, que envolveu uma mulher de Leiria, Maria Emília Santos, que voltou a andar alegadamente por intercessão dos dois videntes de Fátima.

    Para a canonização, ou seja, para que Jacinta e Francisco - primos da Irmã Lúcia - possam ser considerados santos e motivo de devoção em toda a Igreja, é necessária uma segunda graça.

    O processo de canonização foi aberto devido a um segundo milagre, alegadamente verificado durante a cerimónia de beatificação dos Pastorinhos, em Maio de 2000, e que envolvia uma criança doente com diabetes.

    Na ocasião, a mãe, emigrante portuguesa na Suíça, segurou o filho enquanto assistia, pela televisão, às cerimónias de beatificação, presididas por João Paulo II.

    Agora, se os médicos concluírem que a cura não tem explicação científica, o processo passa ao exame dos teólogos que irão avaliar se foi mesmo a intercessão dos Pastorinhos que permitiu a cura.

    As conclusões dos médicos e teólogos terão depois de ser analisadas e aprovadas por uma comissão da Santa Sé, constituída por 30 cardeais, arcebispos e bispos, seguindo-se depois a decisão final do Papa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.