Campanha 'SOS Cagarro' salvou 3744 aves nos Açores

Campanha 'SOS Cagarro' salvou 3744 aves nos Açores

 

Lusa / AO online   Regional   15 de Nov de 2009, 21:19

A campanha ‘SOS Cagarro’, que hoje encerrou, permitiu salvar 3.744 destas aves marinhas em todas as ilhas dos Açores em apenas um mês e meio, revelou Frederico Cardigos, director regional do Ambiente.

“O balanço é positivo”, afirmou Frederico Cardigos, numa conferência de imprensa na Horta destinada a apresentar os números desta campanha, que começou a 1 de Outubro.

No ano passado a campanha permitiu salvar mais de quatro mil cagarros, tendo o director regional do Ambiente salientado que o menor número registado este ano se ficou a dever ao facto de terem ocorrido “menos brumas e nevoeiros” do que em 2008.

A campanha envolveu um total de 1.126 pessoas, a maioria das quais voluntários, e 110 entidades em todo o arquipélago.

O cagarro (Calonectris diomedea borealis) é a ave marinha mais abundante nos Açores, onde regressa todos os anos em Março para acasalar e nidificar, formando colónias com centenas de indivíduos nas falésias costeiras e nos ilhéus.

No final de Outubro, os juvenis atingem a plumagem e o tamanho adulto, sendo nessa altura abandonados nos ninhos pelos progenitores, que partem para a migração anual para sul.

A fome leva-os a sair do ninho para procurar comida, mas, como se orientam pelas estrelas, a falta de prática faz com que muitas vezes sejam atraídos pelas luzes das povoações e dos automóveis, acabando muitos por ser mortos por colisão e atropelamento.

Segundo Frederico Cardigos, algumas das entidades que colaboraram este ano na campanha ‘SOS Cagarro’ fizeram um esforço para reduzir a iluminação exterior dos edifícios, o que também terá contribuído para o menor número de aves resgatadas.

A maior concentração mundial de cagarros ocorre nos Açores, mas a espécie encontra-se em regressão devido à sua vulnerabilidade a predadores terrestre e à actividade humana.

Por essa razão, esta ave está protegida por legislação nacional e internacional, sendo proibido capturar, deter ou abater um cagarro, assim como destruir ou danificar o seu habitat.

O cagarro, que se alimenta de peixe, lulas e crustáceos, é uma ave marinha adaptada à vida em alto mar, podendo viver cerca de 40 anos.

Todos os anos, em Março, depois de passarem alguns meses nos mares do sul, estas aves regressam aos Açores para se reproduzirem, utilizando o mesmo local onde estiveram no ano anterior.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.