Câmara de Ponta Delgada quer proteger lojas históricas

Câmara de Ponta Delgada quer proteger lojas históricas

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   5 de Fev de 2019, 12:02

O presidente da Câmara Municipal de Ponta Delgada, José Manuel Bolieiro, congratulou-se, com a crescente revitalização do centro histórico da cidade.


O autarca que falava na inauguração do novo espaço da loja Gil M. Teixeira & Irmão, Lda., lembrou que o município quer contribuir para a proteção das lojas históricas, estando, com efeito, a trabalhar num regulamento próprio de reconhecimento e proteção do comércio tradicional do centro histórico da cidade, refere nota de imprensa da autarquia.


Reconhecendo a importância de salvaguardar o comércio local e tradicional de Ponta Delgada, o presidente da Câmara está a estudar a implementação de políticas dirigidas à revitalização sustentável das atividades económicas que, pelo seu relevante papel no plano cultural, de valorização do património histórico e das vivências tradicionais da cidade, mereçam um reconhecimento especial por parte do município.


Na ocasião, José Manuel Bolieiro, defendeu que a “identidade é aquilo que os faz permanecer no mercado, conferindo-lhes resiliência, e criar empatia com os clientes, locais e turistas.


Exemplo disso é a loja Gil M. Teixeira & Irmão, Lda., agora na Rua Açoreano Oriental, a mais antiga de Ponta Delgada e que se apresenta como uma referência para todos os que visitam a cidade.”


Recorde-se que no ano passado, no Dia da Cidade, esta loja recebeu o Diploma de Reconhecimento Municipal. Foi fundada, em 1888, por Francisco José de França, na Rua dos Mercadores, e legado ao seu filho Américo França, em 1910, quando este regressou da emigração no Brasil. Este espaço de comércio de quinquilharia, artigos domésticos e objetos religiosos, em 1973, passou para a gerência de Gil M. Teixeira e mantém-se na mesma família até hoje.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.