Câmara de Ponta Delgada aprova Voto de Pesar pelo falecimento de Antero Rego

Câmara de Ponta Delgada aprova Voto de Pesar pelo falecimento de Antero Rego

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   6 de Mar de 2019, 14:05

A Câmara Municipal de Ponta Delgada aprovou, esta manhã, em Reunião de Câmara, por unanimidade um Voto de Pesar, apresentado coletivamente, pelo falecimento, a 23 de fevereiro, de Antero Rego.

Esta é uma forma de homenagear “a sua memória com o devido reconhecimento pelo seu dinamismo empresarial em benefício da economia de Ponta Delgada e dos Açores”, sustentou o presidente do município, José Manuel Bolieiro, citado em nota de imprensa.

No documento apresentado, o autarca referiu-se a Antero Rego como “cidadão e munícipe de elevada distinção e reconhecido como pessoa notável”, que “elevou, com a sua vida e obra, a sua família e a sua terra e gente”.

Natural de Santo António, onde nasceu a 31 de outubro de 1936, Antero Rego estudou em Ponta Delgada e, neste concelho, iniciou e desenvolveu a sua carreira.

Primeiro por conta de outrem e, a partir de 1971, por conta própria, tendo afirmado, de forma crescente e notável, o seu reconhecido espírito de iniciativa e a sua manifesta capacidade empreendedora.

Iniciou a sua atividade com um pequeno negócio de aluguer de automóveis sem condutor, no Campo de São Francisco. Nos anos oitenta e noventa assumia já uma posição de relevo no comércio automóvel, que foi crescendo, com a representação de várias marcas, sem descurar a escola de condução. Formou um notável grupo empresarial, com atividade e projeção regional e nacional.

O presidente afirmou ainda que “o reconhecimento do valor e mérito de Antero Rego mereceu as distinções feitas pelo Presidente da República Portuguesa, em 2007, com a Comenda da Ordem de Mérito Agrícola, Comercial e Industrial, e pela Região Autónoma dos Açores, em 2015, com a Insígnia Autonómica de Mérito Industrial, Comercial e Agrícola”.

Bolieiro destacou também o facto de o empresário ser, um homem que “formou família e nunca esqueceu a terra que o viu nascer”, tendo, inclusive, sido presidente da Junta de Freguesia de Santo António.

“Era um homem que prezava o valor e honra da palavra, cultivava as suas raízes e demonstrava ter sido treinado para enfrentar a vida com as suas próprias capacidades”, acrescentou, sustentando que “Ponta Delgada também cresceu com o seu empreendedorismo e capacidade de realização”.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.