Açoriano Oriental
Câmara de Lisboa escolhe CGD para contrair empréstimo de 500 milhões de euros
A câmara municipal de Lisboa escolheu a Caixa Geral de Depósitos (CGD)para contrair o empréstimo de 500 milhões de euros no âmbito do plano de saneamento financeiro.

Autor: Lusa / AO online
    O presidente da Câmara, António Costa (PS), e o vereador das Finanças, Cardoso da Silva (PS), apresentam quarta-feira na reunião do executivo municipal uma proposta para a contratação do empréstimo à CGD, em duas tranches, a primeira de 360 milhões de euros e a segunda de 140 milhões.

    A CGD apresentou a “melhor solução de financiamento, consubstanciada num empréstimo de taxa variável, com um spread de 0,09 por cento e uma comissão de liderança, organização e montagem de 0,007 por cento sobre o montante do empréstimo, equivalente a um custo total de 0,104 por cento sobre a Euribor”, lê-se na proposta que vai ser apreciada na reunião de câmara.

    A Câmara fez uma “consulta alargada” junto de bancos nacionais e estrangeiros, tendo depois convidado 39 instituições de crédito a apresentarem as suas soluções.

    No convite, “foi solicitada a cotação para três estratégias de taxa de juro: taxa variável, taxa fixa para a maturidade de cinco anos e taxa fixa para a maturidade global do empréstimo, bem como a apresentação de uma proposta autónoma de cobertura de risco da taxa de juro”.

    Houve 12 instituições de crédito que subscreveram propostas de financiamento e cobertura, enquanto duas instituições apresentaram apenas propostas de cobertura e outras duas ofereceram condições para o financiamento remetendo para uma negociação posterior as condições de cobertura.

    Depois da análise das propostas, “considera-se que é vantajoso para a CML optar pela taxa de juro variável, devendo ser analisadas, oportunamente, estratégias de cobertura que minimizem a exposição da CML face ao risco da taxa de juro”.

    A Caixa Geral de Depósitos, a Goldman Sachs International, o Deutsch Bank, o Millenium BCP em consórcio com o DZ Bank, o Barclays Bank e o Banco Efisa em consórcio com a Lehman Brothers subscreveram propostas com um custo total “considerado favorável”.

    Foram depois encetadas negociações com estas entidades “visando a melhoria das condições iniciais apresentadas, nomeadamente em termos de perfil de reembolsos e condicionantes de cobertura da taxa de juro associada ao próprio financiamento”.

    A Caixa Geral de Depósitos foi posteriormente considerada a melhor solução de financiamento.

    O empréstimo em causa prevê uma primeira tranche, de 360 milhões de euros, “com um período de carência de três anos, prazo de reembolso de nove anos e taxa de juro de 0,009 por cento sobre a Euribor a seis meses”.

    A segunda tranche, de 140 milhões de euros, só será usada “se e quando se tornarem certas, líquidas e exigíveis dívidas emergentes de compromissos assumidos em data anterior a 1 de Agosto de 2007”.

    O presidente da Câmara tem explicado que se tratam de dívidas em contencioso litigioso, que a autarquia pode ou não ser obrigada a pagar.

    A ser aprovado o empréstimo, a CGD reforça o estatuto do banco preferido pelas autarquias. Tal como a Lusa noticiou esta quinta-feira, dos 555 empréstimos contraídos por 205 câmaras nos últimos dois anos, 276 foram feitos no banco estatal, envolvendo um montante global de 222,3 milhões de euros.
 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.