Bruxelas tenta desbloquear fundos para programa de ajuda alimentar


 

Lusa/AO online   Internacional   3 de Out de 2011, 12:30

A Comissão Europeia apresentou, em Bruxelas, uma proposta para desbloquear o financiamento do programa comunitário de ajuda alimentar, que corre o risco de perder três quartos das verbas já no próximo ano.
Bruxelas quer acrescentar uma nova base legal, ao abrigo da coesão social, de modo a garantir fundos e ao mesmo tempo dar relevo à importante dimensão social ao programa de ajuda aos carenciados.

Esta alteração é hoje debatida pelo Conselho de Ministros do Emprego e Segurança Social, que se reúne no Luxemburgo.

Em causa está a posição assumida em Setembro, no Conselho de Agricultura, por sete Estados-membros - Áustria, Dinamarca, Holanda, Suécia, Reino Unido, Alemanha e República Checa -, que formam uma minoria de bloqueio a uma proposta de Bruxelas para financiar o Programa Comunitário de Ajuda Alimentar a Carenciados (PCAAC).

O PCAAC corre assim o risco de, em 2012 e 2013, perder cerca de três quartos do seu financiamento (de cerca de 500 milhões para 113 milhões de euros já no próximo ano).

Estes seis países apoiam-se num acórdão do Tribunal de Justiça de Abril, que deu razão a uma queixa apresentada pela Alemanha, por o PCAAC não estar apenas a recorrer ao chamado sistema de intervenção - os excedentes agrícolas europeus -, mas ter também passado a comprar no mercado, dado os 'stocks' disponíveis terem diminuído.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.