Bruno 'Pidá' alega inocência na morte de segurança


 

Lusa / AO online   Nacional   20 de Nov de 2009, 15:58

Bruno ‘Pidá’ quebrou o silêncio no julgamento do homicídio de um segurança em Novembro de 2007, alegando a sua inocência em todos os factos que lhe estão imputados pela acusação e afirmando nunca ter utilizado armas.
“Não cometi nenhum crime, não matei ninguém e não sou nenhum criminoso”, começou Bruno ‘Pidá’ por afirmar ao tribunal, a última sessão do julgamento antes das alegações finais já agendadas para dia 4 de Dezembro e a primeira em que os arguidos começaram a prestar declarações.

O arguido implicado no homicídio do segurança Ilídio Correia (juntamente com Mauro Santos, Fernando ‘Beckham’, Ângelo ‘Tiné’ e Fábio ‘Suca’) acrescentou “nunca” ter usado armas, “não” saber usar armas, até porque “nunca” foi à tropa.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.