Brown anuncia criação de "Conselho Económico Nacional"

Brown anuncia criação de "Conselho Económico Nacional"

 

Lusa / AO Online   Internacional   3 de Out de 2008, 17:14

O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, anunciou hoje a criação de um "Conselho Económico Nacional", integrando os principais ministros e encarregado de coordenar o apoio à população e às empresas na actual situação económica.
    O conselho, que se reunirá duas vezes por semana, a primeira das quais segunda-feira, deverá "permitir uma abordagem nova da coordenação das políticas económicas no governo", indica um comunicado de Downing Street, assinalando que o Reino Unido "enfrenta um período de imensos desafios económicos, de origem mundial e que tocam numerosos ministérios".

    O NEC (na sigla em inglês) "trabalhará para ajudar as pessoas e as empresas a enfrentarem as incertezas económicas actuais", refere o comunicado.

    "(O conselho) coordenará os esforços para ajudar as famílias face a preços da alimentação e da energia mais elevados, enquanto nós trabalharemos com os nossos parceiros internacionais para gerir os recursos naturais que se vão reduzindo".

    O governo conta ainda com o NEC para reflectir sobre as questões da educação, da formação, das ciências e das infra-estruturas.

    O NEC será presidido por Gordon Brown e o vice-presidente será o actual ministro das Finanças, Alistair Darling. O novo ministro do Comércio, Empresas e Reforma Regulatória, Peter Mandelson, que nos últimos anos foi comissário europeu do Comércio, integrará igualmente o conselho, com outros oito ministros e cinco secretários de Estado.

    O comunicado precisa que o ministro das Finanças, Alistair Darling, "continuará a ocupar-se normalmente do orçamento e do pré-orçamento". Os problemas de estabilidade financeira serão resolvidos através das disposições actuais entre as autoridades tripartidas (Tesouro, Autoridade dos Serviços Financeiros e Banco de Inglaterra).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.