Açoriano Oriental
Bispo de Angra exorta cristãos a irem ao encontro dos pobres e dos excluídos

O bispo de Angra, João Lavrador, exortou os cristãos a irem ao encontro “de todos os pobres, despojados pela sociedade do consumo, dos excluídos” da cultura e da religião.

Bispo de Angra exorta cristãos a irem ao encontro dos pobres e dos excluídos

Autor: Lusa/AO Online

Na homilia da missa da noite de Natal, na Igreja Matriz da Horta, na ilha do Faial, o bispo de Angra e das Ilhas dos Açores acrescentou ser necessário ir junto “dos que permanecem na ignorância e no erro, dos esmagados pela violência e pela fome, para lhes testemunhar com gestos concretos que a salvação tocou a sua existência e por isso há motivos para a alegria”.

“Teremos de identificar o que verdadeiramente mantém as pessoas nas trevas, na escuridão; qual o jugo que pesa sobre os povos na atualidade, os ruídos da guerra e da violência; para lhes oferecer o caminho que leva à alegria, à festa e à paz”, disse João Lavrador.

Para o prelado, “a pessoa humana, mergulhada numa cultura que ofusca a dimensão transcendente das criaturas, (…) que diverte com prazeres momentâneos e com seduções alienantes aqueles que deveriam matar a sede de existência nas fontes da alegria, tem absoluta necessidade de criar as condições” para que o eco “vindo do céu seja acolhido e desperte a caminhada para um verdadeiro encontro com Aquele que acaba de nascer”.

A “expressão que encontramos no evangelho sublinhando que o nascimento de Jesus de Nazaré é alegria para todo o povo e S. Paulo a realçar a mesma realidade afirmando que é a salvação para todos os homens inquieta-nos e desafia-nos sobre o olhar e o compromisso perante o mundo em que vivemos”, disse o prelado na homilia, questionando: “será que a alegria do nascimento de Jesus é sentida por todos os homens?”.

O bispo de Angra e das Ilhas do Açores alertou ainda para a necessidade de olhar para a simplicidade do presépio, onde se encontra “a simplicidade de Deus. O ser sem qualquer contágio do ter; a manifestação do amor sem qualquer obscuridade de poder ou de domínio; a luz verdadeira sem nada que a ofusque”.

Urge, segundo o prelado, “este encontro da comunidade cristã e de cada cristão com a realidade de Jesus que nasce na pobreza e na humildade para se descobrir o dinamismo que leva à evangelização do mundo de hoje”.

No final da homilia, o bispo João Lavrador pediu a Nossa Senhora a bênção para “as famílias, as crianças, os idosos e os doentes, os jovens e os excluídos, os pobres e os emigrados, os presos e os que sofrem de violência ou de injustiça e (…) encaminhe pelas sendas da evangelização do mundo de hoje”.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.