Açoriano Oriental
BE acusa PSD de “ceder à extrema-direita” e pensar menos em princípios

O BE criticou hoje o PSD por “ceder à extrema-direita” nos Açores e normalizar partidos que querem destruir a democracia, considerando que o acordo com o Chega “pensa muito mais no curto prazo e muito menos em princípios”.

BE acusa PSD de “ceder à extrema-direita” e pensar menos em princípios

Autor: Lusa/AO online

O líder parlamentar do BE, Pedro Filipe Soares, reagiu hoje, nos Passos Perdidos do parlamento, em Lisboa, ao anúncio feito pelo Chega esta manhã de que “vai viabilizar o governo de direita nos Açores”, após ter chegado a um acordo com o PSD em “vários assuntos fundamentais” para a Região Autónoma e para o país.

“A construção de um governo regional feita em cima de uma cedência à extrema-direita é a normalização para a democracia exatamente dos partidos que a querem destruir”, criticou.

Na perspetiva de Pedro Filipe Soares, o PSD, “ao destruir a barreira entre os democratas e os partidos que atacam a democracia, está, na prática, a construir um futuro perigoso para o país”.

“Nós acreditamos que o poder não se alcança de qualquer modo e por isso a escolha do PSD será uma escolha daqueles que, ao destruir essa barreira, entre os democratas e aqueles que atacam a democracia, pensa muito mais no curto prazo, muito menos em princípios e deixa para trás o país”, condenou.

O líder parlamentar e dirigente bloquista recorreu ao exemplo dos Estados Unidos, onde o presidente “Donald Trump ataca um dos fundamentos da democracia que é o direito ao voto”.

“O PSD, ao dar o passo que está a dar, em ceder à extrema-direita, está a repetir os mesmos erros que pela Europa fora outros partidos também cometeram e que foram o início do seu fim”, comparou.

De acordo com um comunicado do Chega, divulgado esta manhã, o futuro Governo regional açoriano “comprometeu-se a alcançar as metas de redução significativa de subsidiodependência na região e de criação de um gabinete regional de luta contra a corrupção”.

Por outro lado, este futuro executivo comprometeu-se, segundo o partido liderado por André Ventura, a “desencadear, nos termos das suas competências próprias, um projeto de revisão constitucional regional que inclua, entre outros aspetos, a redução do número de deputados na região autónoma dos Açores”.

Já quanto à exigência que tinha sido feita pelo partido de que o PSD nacional participasse no processo de revisão constitucional iniciado pelo Chega, o partido liderado por André Ventura diz ter obtido garantias para o futuro.

“Neste sentido, o Chega informará hoje o sr. Representante da República na Região Autónoma dos Açores de que se encontra indisponível para viabilizar um governo socialista na Região e, através dos seus deputados eleitos, votará favoravelmente ao governo liderado por José Manuel Bolieiro”, refere o comunicado.

O representante da República para a Região Autónoma dos Açores, Pedro Catarino, começa hoje a ouvir os partidos que elegeram deputados à Assembleia Legislativa açoriana, tendo em vista a indigitação do futuro presidente do Governo Regional.

O PS elegeu 25 deputados e perdeu a maioria absoluta que detinha há 20 anos na região e esta semana PSD, CDS-PP e PPM anunciaram uma "proposta de governação profundamente autonómica", um "governo dos Açores para os Açores" e com "total respeito e compreensão pela pluralidade representativa do povo".

PSD, CDS-PP e PPM somam 26 deputados, juntando-se agora o apoio dos dois do Chega, faltando um voto para garantir a maioria absoluta de 29 parlamentares.

A lei indica que o representante da República no arquipélago nomeará o novo presidente do Governo Regional "ouvidos os partidos políticos" representados no novo parlamento açoriano.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.