Açoriano Oriental
Autoridade de Saúde diz que organização de tourada não cumpriu orientações

A Autoridade de Saúde Regional dos Açores acusa a organização de uma tourada na ilha Terceira de não ter cumprido as orientações emanadas, devido à covid-19, mas o Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande refuta as acusações.

Autoridade de Saúde diz que organização de tourada não cumpriu orientações

Autor: Lusa/AO online

“Não é de todo compreensível que depois de terem participado na elaboração da circular, e depois de uma atualização, não seja cumprido o que está disposto nessa circular. Ou quem de direito, responsável pela organização dos eventos, reconhece efetivamente que as coisas não correram bem e assume o compromisso de cumprir com as orientações e recomendações ou temos de fazer efetivamente aqui uma suspensão”, afirmou, em declarações à agência Lusa, o responsável máximo da Autoridade de Saúde Regional dos Açores, Tiago Lopes.

Em causa está um espetáculo tauromáquico realizado no passado sábado na Praça de Toiros da Ilha Terceira, organizado pelo Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande, em que terão participado mais de 2.000 pessoas.

Segundo Tiago Lopes, que é também diretor regional da Saúde, as imagens veiculadas pela comunicação social comprovam que não foi cumprida uma das principais orientações da circular informativa, que define as medidas a adotar na realização de espetáculos tauromáquicos, no âmbito da pandemia da covid-19, publicada em 04 de agosto.

“Os lugares para o público devem ser marcados e vendidos como tal, precisamente para evitar a aglomeração de pessoas de forma desorganizada e mesmo até, num possível diagnóstico de um caso positivo, assim inviabilizar a identificação de contactos próximos que possam ter estado junto desse caso positivo”, apontou.

“Isso não aconteceu e levou a que as pessoas comprassem os seus bilhetes e desorganizadamente se sentassem onde bem entendessem, o que levou à aglomeração de pessoas em determinados setores das bancadas, coisa que não deveria ter acontecido e que foi articulada com qualquer uma das entidades organizadoras”, acrescentou.

Este foi o segundo espetáculo realizado na Praça de Toiros da Ilha Terceira em 2020, mas no primeiro, que decorreu no dia 08 de agosto, “não foi reportada qualquer situação de incumprimento”, segundo Tiago Lopes.

O responsável da Autoridade de Saúde Regional admitiu a possibilidade de ocorrerem outros eventos tauromáquicos este ano, mas disse que iria promover uma reunião conjunta com as entidades organizadoras, para que seja feita uma análise do que falhou na organização da tourada de sábado.

“Temos de fazer aqui uma paragem. Temos de analisar, refletir e discutir e assumir aqui um compromisso em conjunto, porque da forma como está não pode continuar”, salientou.

O Grupo de Forcados Amadores do Ramo Grande “repudiou”, no entanto, a posição do diretor regional da Saúde, em comunicado, sublinhando que todas as recomendações publicadas na circular informativa “foram integralmente cumpridas”.

“O evento decorreu com a aprovação de todas as autoridades presentes na corrida, onde se incluem os delegados técnicos nomeados pela Direção Regional da Cultura e a Polícia de Segurança Pública”, reiterou.

Os forcados alegaram ainda que não foram informados da existência de “qualquer irregularidade, nem pelas autoridades presentes no evento, nem pela Autoridade de Saúde Regional”, e que até foram “parabenizados pela boa organização, por todas as entidades presentes, onde se incluem membros do Governo [Regional] e autarcas”.

Entretanto, o Bloco de Esquerda exigiu explicações da Autoridade de Saúde Regional, em comunicado de imprensa, questionando Tiago Lopes sobre “a penalização que será aplicada aos promotores do evento”, tendo em conta o “grave incumprimento” das orientações.

“A autorização para realização de eventos e as regras sanitárias para os mesmos não podem ser discricionárias e ao sabor de interesses económicos, eleitorais, outros ou de quem promove o evento. Têm de ser claros, objetivos, aplicados com equidade e, acima de tudo, têm de colocar em primeiro lugar a saúde pública”, avançou o partido.

Em resposta, Tiago Lopes frisou que a Autoridade de Saúde Regional “não autoriza ou deixa de autorizar a realização de eventos”, estando apenas responsável pela emissão de orientações e recomendações para a sua realização.

Quanto à fiscalização destes eventos, disse que “tem de ser da responsabilidade de cada entidade organizadora, de cada proprietário de estabelecimentos, o cumprimento das orientações e recomendações que são emanadas”.

“Não temos capacidade, nem nós, nem qualquer outra região do país ou do mundo, para fiscalizar tudo o que é estabelecimento, tudo o que é espetáculo e evento. É impossível”, sublinhou.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.