Autarquia da Praia da Vitória dinamiza plataforma Ubbu

Autarquia da Praia da Vitória dinamiza plataforma Ubbu

 

AO Online   Regional   3 de Mai de 2019, 11:43

Cerca de quatro dezenas de alunos, de três turmas do 1º ciclo na Escola Francisco Ornelas da Câmara, estão a aprender os princípios básicos da programação, enquadrados no projeto da plataforma Ubbu, antes denominado de Academia de Código Júnior.


A iniciativa resulta da parceria entre a Câmara Municipal da Praia da Vitória, a Escola Francisco Ornelas da Câmara e o projeto Terceira Tech Island, do Governo Regional dos Açores.


Segundo o vereador da autarquia, Tiago Ormonde, a iniciativa, em fase piloto este ano letivo, visa despertar as crianças para as tecnologias de informação e comunicação, mas também potenciar novas oportunidades profissionais no futuro, particularmente no concelho onde está em consolidação um ecossistema de empresas tecnológicas, através do Terceira Tech Island.


“É nosso dever estimular as crianças para as profissões do futuro. Esta iniciativa tem três objetivos: desenvolver as capacidades de raciocínio e trabalho em equipa – centrais na profissão de programador -, incentivar e despertar as crianças para novas realidades profissionais (a programação e as novas tecnologias são tidas como oportunidades profissionais atualmente e no futuro com grande saída) e potenciar massa crítica a médio prazo, que possa enquadrar-se no ecossistema de empresas e projetos de programação em curso na cidade, por via do Terceira Tech Island”, explicou o autarca, citado em nota de imprensa, no final de uma visita a uma das sessões do projeto.


Saliente-se que no âmbito da Academia do Código Júnior estão abrangidas cerca de 40 crianças do 1.º ciclo do ensino básico da Escola Francisco Ornelas da Câmara, sendo que a intenção é que até ao 4.º ano de escolaridade estes alunos tenham oportunidade de continuar a obter estes conhecimentos, bem como introduzir os mesmos às crianças que, a partir do próximo ano letivo, cheguem ao 1.º ano de ensino.


“A ideia é dar-lhes conhecimentos nas áreas dos computadores que são ferramentas que estão presentes em tudo na nossa vida, até em áreas como a agricultura ou o turismo”, sublinhou Tiago Ormonde, destacando ainda “a vertente pedagógica interessante” da iniciativa, uma vez que “eles vão trabalhando o seu raciocínio ao nível do estímulo da sua criatividade, o que pode vir a resultar em ideias muito interessantes de empreendedorismo e capacidade de surgimento de novos produtos e ou serviços futuramente no mercado de trabalho”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.