Associações de Estudantes e Académicas aprovam "luta" contra regras de atribuição de Bolsas

Associações de Estudantes e Académicas aprovam "luta" contra regras de atribuição de Bolsas

 

Lusa/AO Online   Nacional   10 de Dez de 2011, 10:43

As Associações de Estudantes e Académicas do Ensino Superior aprovaram esta sexta-feira acções públicas de "luta" contra o actual Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo que consideram "injusto" e afirmam que este Natal é "negro" no Ensino Superior.

Reunidas em Braga num Encontro Nacional de Direções Associativas (ENDA) extraordinário durante esta sexta-feira, as associações estudantis aprovaram para os dias 20, 21 e 22 de Dezembro acções publicas como "forma de protesto" contra o actual Regime de Atribuição de Bolsas para o Ensino Superior.

Estas acções constam de uma moção aprovada pelos movimentos académicos na qual os estudantes afirmam que o referido regulamento "consagra soluções materiais iníquas e injustas".

Como justificação para a "luta" as academias do Ensino Superior invocam "os atrasos nas análises das candidaturas e no respectivo pagamento das bolsas de acção social", bem como a "insuficiência do Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo em responder às reais necessidades do país".

Além disso contestam o "imobilismo face a abrir uma segunda fase de candidatura" para os estudantes que ingressam pela primeira vez nas universidades e criticam também a "parca capacidade de diálogo da Secretaria de Estado do Ensino Superior".

Assim, a ENDA aprovou, e marcou, no início desta madrugada acções públicas de "luta" como o "lançamento nacional da imagem corporativa deste plano de acções em diversos meios comunicacionais", a "criação de árvores de Natal negras em locais icónicos" e uma vigília nocturna na Assembleia da República no dia 22 de Dezembro, entre outras.

Os estudantes pretendem desta forma "assinalar" aquele que consideram "um Natal negro no Ensino Superior" e desejam que os "estudantes tenham o justo e legítimo apoio que necessitam para a adequada frequência no ensino superior".

Isto porque, esclarecem, "o sistema de Acção Social tem por objectivo que nenhum estudante seja arredado da frequência do ensino superior por motivo de falta de capacidades económico-financeiras".

Mas, consideram, o "presente Regulamento de Atribuição de Bolsas não concretiza" este objectivo, apontando ainda que os "sucessivos despachos emanados pelo Director-Geral do Ensino Superior, relativos à fixação de sucessivos prazos para a apresentação de candidatura a bolsas de estudo instituíram "uma situação de desigualdade de tratamento".

As academias terminam a moção aprovada defendendo que o "Sistema de Acção Social tem de ser construído para dar resposta às necessidades dos estudantes" e "não segundo o orçamento disponibilizado".


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.