Açores com mais de 80 ações previstas até 2019 no I Plano de Ação de Combate à Pobreza

Açores com mais de 80 ações previstas até 2019 no I Plano de Ação de Combate à Pobreza

 

Lusa/AO online   Regional   13 de Nov de 2018, 16:35

O Plano de Ação de Combate à Pobreza e Exclusão Social para 2018-2019 nos Açores tem previstas 83 ações, 60% das quais "já em curso e em monitorização", envolvendo vários departamentos do Governo Regional e parceiros.

A informação foi hoje avançada no âmbito da sessão de apresentação, em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, do I Plano de Ação de Combate à Pobreza e Exclusão Social para 2018-2019 na região, que integra a Estratégia Regional de Combate à Pobreza e Exclusão Social até 2028.

O Governo dos Açores aprovou este ano um plano de ação de combate à pobreza para o biénio 2018-2019 que preconiza, entre outras medidas, o acesso universal aos cuidados de saúde, em especial para crianças e jovens, mas também estratégias na área da educação.

Aquele plano surge no seguimento da aprovação da Estratégia de Combate à Pobreza e Exclusão Social, que traça metas a longo prazo.

“A pobreza é o principal obstáculo ao sucesso escolar. E, por isso, entre as medidas de combate à pobreza, a escolarização dos povos tem de estar na primeira linha”, afirmou o secretário regional da Educação e Cultura, Avelino Meneses, em declarações aos jornalistas.

O governante falava após a apresentação do plano em São Miguel, salientando que a escolarização na primeira infância, com o aumento da rede de creches e de amas, no pré-escolar e o aumento das taxas de frequência dos terceiro e quarto anos, são algumas das metas desta estratégia de combate à pobreza e exclusão social.

Avelino Meneses elencou também que, em relação ao ensino básico e secundário, é preciso que "cada vez mais os alunos açorianos completem a escolaridade obrigatória no tempo próprio com as devidas aprendizagens".

“Temos também de ter uma educação para a vida toda. Estamos numa sociedade de transformações muito rápidas”, sustentou o titular pela pasta da Educação nos Açores, salientando que a estratégia regional de combate à pobreza e à exclusão social “é transversal” a várias áreas do executivo açoriano e da sociedade civil.

O secretário regional frisou, assim, que "tudo isso justifica que a educação tenha um peso extraordinário neste combate à pobreza".

“E, hoje em dia, a riqueza dos países, das regiões e dos próprios indivíduos depende fundamentalmente do acesso que tenham ao conhecimento”, salientou.

Avelino Meneses alertou que "a pobreza não escolhe vítimas".

"Por isso, é preciso estarmos em alerta constante, mas há grupos mais vulneráveis, as crianças, jovens e idosos", acrescentou.

Mas, "o tempo passou e apareceu uma nova pobreza, aparecem os sem abrigo. Aparecem os problemas socais na redondeza das cidades dos Açores, daí a necessidade de fazer estas estratégia", defendeu.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.