680 mil milhões de dólares para a Defesa

680 mil milhões de dólares para a Defesa

 

Lusa/AO Online   Internacional   23 de Out de 2009, 07:59

O Congresso dos Estados Unidos adoptou quinta-feira, após um voto no Senado, o texto final do projecto de orçamento 2010 da Defesa, quase conforme os pedidos da administração e de um montante de cerca de 680 mil milhões de dólares.

O texto adoptado por 68 votos contra 29, fruto de um compromisso entre as duas câmaras do Congresso, está próximo dos desejos do Pentágono.

A Câmara dos Representantes já tinha aprovado o texto no princípio de Outubro.

O texto deve agora ser enviado para promulgação ao presidente Barack Obama.

O documento contém igualmente uma medida destinada a impor novas restrições sobre a ajuda militar norte-americana ao Paquistão.

O Congresso deseja nomeadamente um rastreio do material militar enviado para o Paquistão e afirmou que Islamabad não deve perturbar “o equilíbrio dos poderes na região”, fazendo alusão às tensões com a Índia.

O texto contém também um aumento do salário dos militares, em 3,4%, ou seja mais meio ponto percentual do que tinha reclamado o departamento da Defesa.

O documento compreende igualmente 6,7 mil milhões de dólares para o financiamento de veículos resistentes às minas, os Mine Resistant Ambush Protected (MRAP), ou seja mais 1,2 mil milhões do que reclamava a administração.

Para além disso, 7,5 mil milhões estão previstos para treinar e equipar o exército e a polícia afegã.

Em matéria de defesa antimíssil, o texto permite o financiamento da agência norte-americana de defesa antimíssil, até 7,8 mil milhões de dólares, o valor pedido pela administração Obama.

Entre os programas anulados pelos deputados, como pediu a administração, figura a construção do caça F-22 de Lockheed e Boeing, do qual já foram fabricadas 187 unidades.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.