21º Angrajazz apresentado mais cedo para integrar revistas internacionais e captar novos públicos

21º Angrajazz apresentado mais cedo para integrar revistas internacionais e captar novos públicos

 

Tatiana Ourique / AO Online   Regional   12 de Mar de 2019, 20:03

O 21º ANGRAJAZZ decorre de 3 a 5 de outubro e retoma o formato tradicional de 3 dias com dois concertos por dia. Este ano com a participação da Orquestra Angrajazz, Emile Parisien Sfumato Quintet, João Mortágua AXES, Frank Kimbrough Quartet plays Monk, The Allan Harris Band e Miguel Zénon Quartet.


Saiu para a rua mais cedo do que todas as edições anteriores e os bilhetes estão à venda a partir desta quarta feira, 13 de março. O 21º Angrajazz tem um orçamento de 115.000€.

José Ribeiro Pinto, da Associação Cultural Angrajazz, está na organização desde a primeira edição e acredita que a experiência e coesão da direção são a chave para o sucesso que o Angrajazz tem tido ao longo dos anos. Quanto ao cartaz, o José Ribeiro Pinto garante que inovação é palavra de ordem a cada edição: “todos os anos procuramos trazer nomes novos, pelo que, por aí, são todos novidade. Até a própria Orquestra Angrajazz procura inovar todos os anos.”

Depois de 2 edições com mais um dia, o festival regressa em 2019 ao formato de 3 dias: “em 2017, por uma questão de calendário e de oportunidade, fizemos 4 dias de Festival com 7 concertos, o ano passado, por ser a 20.ª edição repetimos o figurino. Este ano voltamos ao esquema das três noites com concertos duplos, que é por enquanto o mais natural.”

Este ano o Angrajazz foi apresentado alguns meses mais cedo para integrar a BTL e revistas internacionais: “era sempre apresentado em julho (no ano passado já foi em junho). Isto prende-se com a necessidade que sentimos que o cartaz do Festival devia ser apresentado na BTL – Bolsa de Turismo de Lisboa e nas edições de maio das grandes revistas intenacionais (americana DOWNBEAT, francesa JAZZ MAGAZINE, alemã JAZZTHETIK). Só assim poderemos cativar mais público de fora da região e do país para virem no início de autubro à Terceira assistir ao festival.”

Para o apresentador do programa “Os Sabores do Jazz” da Antena 1 Açores, o intuito do cartaz é manter o alto nível alcançado nas edições anteriores: “Trazemos a nossa orquestra com um grande convidado (Carlos Azevedo); teremos um dos maiores músicos nacionais com um grande projeto vencedor (AXES); como procuramos sempre fazer, teremos um grupo europeu, desta feita, francês, o do enorme Émile Parisien, certamente um dos melhores saxofonistas na Europa com o projeto Sfumato altamente premiado e com um convidado (Michel Portal) que é um histórico do jazz mundial. E três grupos americanos espetaculares”.

Apesar da máquina estar oleada, todos os anos a maior dificuldade é a incerteza do valor do apoio das entidades públicas. “Neste momento sabemos mais ou menos garantidamente quanto dará a Direção Regional da Cultura, mas não sabemos quanto dará a Direção Regional do Turismo, apesar de acreditarmos que algum apoio deverá chegar”.

Apesar da incerteza, a contratação precoce dos músicos e marcações de viagens leva a uma melhor gestão de agendas e melhores preços, mas “não há bela sem senão”: “corremos o risco dos valores dos apoios serem inferiores ao esperado mas, ou avançamos cedo e promovemos mais eficazmente o festival, ou promovemo-lo tardiamente e, por isso, com muito menores resultados. Pensamos que um evento como o nosso, na sua 21.ª edição, com provas mais que dadas, não pode estar sujeito às regras normais das candidaturas para os apoios públicos anuais. O Governo Regional, se assim o achar, devia considerá-lo de utilidade pública regional e fixar antecipadamente o montante anual do apoio a conceder”.

A cultura do Jazz trazida pelos americanos ajudou a divulgar

José Ribeiro Pinto garante que o Angrajazz já faz parte do calendário anual dos terceirenses e admite que esse caminho foi facilitado pela introdução do Jazz pelos americanos: “na ilha Terceira há um gosto antigo pelo jazz que veio do início da presença americana nas Lajes. Mais recentemente, na segunda metade da década de 80 do século passado, a Câmara Municipal de Angra do Heroísmo promoveu uma série de concertos de jazz. O grande evento “Jazz – Sons de uma longa história” em 1993 na Praia da Vitória foi outro grande passo… O programa “Os Sabores do Jazz”na RDP – Açores desde fevereiro de 1992 tem dado a sua ajudar. Assim, em 1999, quando acontece o primeiro Angrajazz, já havia muita gente à sua espera. Como, desde o seu início, o Angrajazz sempre foi de enorme qualidade, quer artística, quer organizacional, os locais sempre o aceitaram, respeitaram, apreciaram e apoiaram. O Angrajazz faz parte do seu calendário anual.”

A Chave do sucesso está também no rigor: “temos uma direção forte, coesa e rigorosa que se vai mantendo quase fixa ao longo dos anos (3 elementos estão desde o início e nestes 21 anos tivemos só mais 6 pessoas). Esta estabilidade garante a coesão, aquisição de experiência e confiança dos vários agentes que interagem connosco - entidades oficiais, agentes musicais internacionais e fornecedores. Uma das questões mais importantes é o rigor em todos os aspetos e desde logo o financeiro. Não pode haver facilitismo em nada. O “já agora…” é proibido para nós.”

O bom acolhimento da comunicação social também contribui para o sucesso ano após ano, garante o responsável que admite sonhar “que a cidade e a ilha (as pessoas e os comerciantes, bares, restaurantes etc.) se envolvessem mais no festival e tirassem mais partido. Aí as Câmara Municipais e a Câmara do Comércio poderão ter um papel importante”, admitindo, também, que a pequena organização já cumpre o seu papel e que essa envolvência social deverá estar a cargo de outras entidades. Ribeiro Pinto acredita, ainda, que o próximo desafio é que o Angrajazz seja um maior cartaz turístico internacionalmente uma vez que o reconhecimento local e nacional já é uma realidade.

O radialista garante que a vinda dos músicos é meramente profissional mas que “depois de cá estarem ficam encantados com a ilha, a recetividade quer da nossa organização quer depois do público e sonham em voltar por mais tempo”.

Mas em 21 anos de festival há sempre situações caricatas que Ribeiro Pinto revelou ao Açoriano Oriental: “um músico que se recusou a dormir no hotel oficial do festival, porque na mesma altura estava cá um músico de outro grupo, igualmente americano, que não queria nem sequer ver; mulher de um músico que não queria que o marido estivesse perto de fumadores e obrigou-nos a mudar de mesa da esplanada do restaurante para uma sala no interior que era afinal destinada a …fumadores”.

Entre os momentos mais especiais da vida do Angrajazz, a estreia foi, o mais marcante: “aquele cartaz que julgávamos que nunca seria possível fazer, o concerto de Frank Morgan na segunda edição, considerado o melhor concerto de bebop realizado em Portugal nos últimos anos, vinda da Preservation Hall Jazz Band de New Orleans no ano em que aconteceu o furacão Katrina que lhes tinha devastado a cidade, o fantástico concerto de Charles Lloyd, a vinda do Transatlantik Quartet para um único concerto em Portugal, considerado por alguns o acontecimento de jazz do ano no nosso país, os espan concertos dos grupos de Kurt Elling, Jack DeJohnette, Jason Moran, Cécila McLorin Salvant, Jon Irabagon, Darcy James Argue’s Secret Sociaty, as vindas de Herbie Hancock, Dave Holland, Carla Bley, Shirley Jordan, Barry Harris, Gregory Porter, Toots Thieleman, John Scofield, Steve Swallow, Christian McBride, e tantos outros….. Gary Smulyan, o melhor saxofonista barítono do mundo a meio do concerto dizer que tinha comido uns animais maravilhosos chamados cracas e lapas e que por isso durante a tarde no hotel tinha composto o um tema a que chamou “Cracas & Lapas Blues” que ia tocar de seguida”.

O Angrajazz acontece em outubro e os bilhetes já estão à venda no Centro Cultural e de Congressos de Angra, no Ticket Line, no site da Câmara de Angra e em “angrajazz.com”. Os bilhetes variam entre os 25 e os 50 euros.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.