10 mil mulheres marcham em Vigo contra a violência doméstica e pela igualdade de oportunidades


 

Lusa / AO online   Internacional   19 de Out de 2008, 12:23

Perto de 10 mil mulheres oriundas dos cinco continentes marcharam hoje ruidosamente pelas ruas de Vigo, na Galiza, Espanha, numa manifestação em que as principais palavras de ordem exigiam o fim da violência de género.
    "Nenhuma agressão sem resposta, nenhum agressor sem castigo", "Estamos fartas de ser agredidas" e "Tolerância zero com as atitudes machistas" eram algumas das frases que as mulheres iam gritando ao longo da marcha, que foi ainda acompanhada de gaitas de foles e bombos.

    "Tudo o que faça barulho é bom para que esta manifestação se ouça o mais longe possível e chegue aos ouvidos dos governos dos vários países do mundo", disse à Lusa uma das manifestantes.

    Promovida pela Marcha Mundial das Mulheres, esta manifestação teve ainda como motes o apelo à paz e à desmilitarização, a exigência da soberania alimentar para os povos de todo o mundo, a defesa do aborto legal, livre e gratuito, a luta contra a pobreza e a igualdade de oportunidades e de salários no mundo laboral.

    A Marcha Mundial das Mulheres foi fundada em 1998 e reúne actualmente seis mil grupos femininos oriundos de 163 países dos cinco continentes, realizando de dois em dois anos um encontro anual.

    Este ano, o encontro decorreu em Vigo, juntando cerca de 150 delegadas de mais de 40 países.

    "Há problemas que são transversais às mulheres de todo o mundo, surgindo desde logo, à cabeça, o da violência de género", disse à Lusa Miriam Nobre, coordenadora do secretariado internacional da Marcha, com sede em S. Paulo, no Brasil.

    Segundo esta activista, a pobreza e a discriminação laboral são outros problemas que "tocam" as mulheres dos cinco continentes.

    "Inverter esta realidade não será fácil, mas o pior que nos poderia acontecer seria baixar os braços. Mas a Marcha não vai desistir. O caminho faz-se caminhando. E nós, mulheres de todo o mundo, vamos continuar a caminhar pelo reconhecimento dos nossos direitos", garantiu Miriam Nobre.

    A manifestação de hoje teve como grande slogan "Mudar a vida das mulheres para mudar o mundo e mudar o mundo para mudar a vida das mulheres".

    Antes da marcha pelas ruas da cidade de Vigo, a Praza do Rei acolheu uma simbólica instalação, a cargo de três artistas galegas, que formaram um grande círculo com socas, nas quais as várias delegadas depositaram uma pedra que trouxeram dos respectivos países.

    "As socas, muito usadas por mulheres na lavoura, são precisamente para elas se fazerem ao caminho e lutarem pela igualdade de direitos e de oportunidades. As pedras representam o contributo que cada uma de nós pode dar na construção de um mundo mais justo, mais igual, menos machista", explicou à Lusa Ana Resto, uma das autoras da instalação.

    Na mesma praça, um grande cartaz dava as boas-vindas às mulheres em várias línguas e ostentava os dizeres "Diferentes sim, desiguais não".

    "Estamos fartas de ser discriminadas, estamos fartas de ser agredidas, estamos fartas de ser exploradas. Basta de sermos obedientes, queremos ser independentes", sintetizava outra das manifestantes, conduzindo um carrinho com uma bebé de sete meses.

    "É também por ela [bebé] que eu aqui estou", afirmou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.