Ambiente

WWF alerta para colapso ecológico do Planeta

WWF alerta para colapso ecológico do Planeta

 

Lusa/AOonline   Internacional   29 de Out de 2008, 01:15

O Fundo Mundial para a Natureza (WWF) alertou para o "colapso ecológico" do Planeta caso a pressão humana sobre os recursos naturais da Terra se mantiver nos níveis actuais.
  O aviso é lançado na última edição (2008) do relatório Planeta Vivo, que é publicado de dois em dois anos desde 1998, evidenciando a diminuição da biodiversidade em todo o Planeta e o aumento da escassez de recursos naturais como a água, especialmente em alguns países.

    "A grande discussão actual centra-se na sobrevalorização dos recursos financeiros. No entanto, o mundo está a entrar em crash ecológico provocado pela subvalorização dos recursos ambientais que são a base da vida e da prosperidade", afirmou o director-geral da WWF Internacional, James Leape, citado num comunicado da organização.

    O relatório revela que mais de 75 por cento da população mundial vive em países com "deficit ecológico", nos quais o consumo de recursos excede a capacidade biológica de produção e de mitigação de desperdícios: "Se a procura se mantiver às taxas actuais, em 2030 precisamos do equivalente a dois planetas para manter o nosso estilo de vida", adiantou James Leape.

    A pegada ecológica, medida pela WWF, traduz a quantidade de terra e água necessárias para sustentar as gerações actuais, tendo em conta os recursos materiais e energéticos gastos por uma determinada população.

    O relatório revela que a área do Planeta disponível para produzir recursos e reter as emissões de dióxido de carbono (biocapacidade global) é em média de 2,1 hectares por pessoa, enquanto que a pegada ecológica global é de 2,7 hectares, estando o mundo em situação de deficit ecológico.

    Os Estados Unidos e a China são os países com maiores pegadas ecológicas, com valores cerca de 21 por cento superiores aos da sua biocapacidade: os americanos têm uma pegada média de 9,4 hectares, o equivalente a 4,5 planetas Terra, enquanto os chineses - com uma população quatro vezes superior à dos Estados Unidos - têm uma pegada de 2,1 hectares por pessoa (um planeta).

    A União Europeia tem também um deficit ecológico que a WWF considera "muito preocupante", com uma pegada ecológica de 4,7 hectares por cidadão (2,3 Planetas Terra) e uma biocapacidade de 2,3 hectares.

    Portugal tem uma pegada ecológica média de 4,4 hectares, estando em 28 lugar numa lista de 151 países, e uma biocapacidade de apenas 1,2 hectares (95º lugar): "Seriam necessários dois planetas para manter o padrão médio de consumo de cada português", afirma a WWF em comunicado.

    Pela primeira vez este ano, o relatório mede o impacto do consumo sobre os recursos hídricos e a vulnerabilidade de muitas áreas do planeta à escassez de água, num novo indicador a que chama “pegada da água”.

    "Em Portugal a situação é também preocupante", diz a WWF, referindo que o indicador de uso de água é de 2,26 milhões de litros por pessoa por ano, ocupando Portugal o sexto lugar entre 151 países.

    Para Luís Silva, da WWF, "esta situação revela que o nosso país pode vir a enfrentar problemas de escassez de água, em consequência das alterações climáticas previstas para a Bacia do Mediterrâneo, onde Portugal se insere. A mudança de hábitos no consumo de água será fundamental para evitar o colapso deste recurso."

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.