Uma em cada três portuguesas já teve uma gravidez indesejada

Uma em cada três portuguesas já teve uma gravidez indesejada

 

Lusa/AO   Nacional   26 de Set de 2008, 12:21

Uma em cada três mulheres portuguesas já teve uma gravidez indesejada, segundo um estudo do Instituto de Ciências Sociais (ICS) que é apresentado hoje em Lisboa, a propósito do Dia Mundial da Contracepção.
 A efeméride será marcada pelo lançamento de uma campanha de sensibilização da Associação para o Planeamento da Família (APF) e da Sociedade Europeia de Contracepção (ESC), que visa alertar para a realidade nesta área.

    A campanha tem como lema “A tua vida, o teu corpo, a escolha” e pretende que “os jovens tomem decisões informadas na altura certa de ter um bebé”.

    Um estudo do ICS, deste ano, concluiu que cerca de “um terço das mulheres portuguesas tiveram, pelo menos, uma gravidez indesejada” e que “mais de um terço dos jovens sexualmente activos não utiliza regularmente contracepção”.

    Os organizadores da campanha de sensibilização alertam para o crescimento rápido do uso de métodos contraceptivos.

    Em Portugal, e de acordo com o Inquérito Nacional de Saúde (INS) de 2007, mais de 85 por cento das mulheres não grávidas e sexualmente activas usam alguma medida para controlo da natalidade.

    A pílula é o método contraceptivo mais utilizado (65,9 por cento) em Portugal, seguida do preservativo (13,4 por cento) e dispositivo intra-uterino (8,8 por cento), de acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) de 2007.

    A Associação para o Planeamento da Família (APF) e a Sociedade Europeia de Contracepção (ESC) identificam “mudanças positivas na idade ao primeiro uso de contracepção”.

    “Nas mulheres com idade mais avançada, os métodos de contracepção foram utilizados pela primeira vez aos 25,6 anos, na maioria após o primeiro filho, enquanto nas gerações mais recentes o primeiro uso é aos 20,7 anos”, informam estas associações.

    No caso das mulheres que utilizaram pílula como primeiro método contraceptivo, o controlo precedeu mesmo a primeira relação sexual, conforme dados do INE, citados a propósito do lançamento da campanha, que decorre em 2009 e é destinada a homens e mulheres em idade reprodutiva.

    Os especialistas frisam que, “apesar dos esforços de divulgação e informação sobre a importância do uso de contraceptivos junto dos jovens, Portugal é ainda um dos países europeus com maior taxa de adolescentes grávidas: um em cada dez nascimentos são de mãe adolescente”.

    Foi precisamente “para contrariar esta tendência” e “inverter o crescimento dos números” que foi criado o Dia Mundial da Contracepção.

    Em Portugal, a efeméride foi integrada na Semana de Esclarecimento Contraceptivo da Associação para o Planeamento da Familia (APF).

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.