Água

Um terço das análises feitas pela Quercus em 14 rios e ribeiras revela má qualidade


 

Lusa/AO online   Nacional   1 de Out de 2008, 09:33

Quase um terço das 20 amostras recolhidas pelos ambientalistas da Quercus em 14 dos principais rios e ribeiras portugueses revelaram má qualidade da água, anunciou hoje aquela associação.
As amostras foram recolhidas na semana passada em vários pontos de 14 rios e ribeiras de norte a sul do país, tendo em vista confirmar os maus resultados de qualidade que já fazem tradição em Portugal e assinalar o Dia Nacional da Água que hoje se celebra.

    "Os resultados são muito maus e confirmam o que tem sido divulgado pelas autoridades nos últimos anos", afirmou à agência Lusa o presidente da Quercus, Hélder Spínola.

    O rio Tejo, a jusante da barragem de Niza, foi o pior resultado registado, com a classificação de água "muito má". Mas a montante da barragem a qualidade da água também era "má", assim como a do rio Ave (Vila do Conde), no Sado (Santa Margarida do Sado), na Ribeira Quarteira (Paderne) e no rio Mira (Odemira).

    A estas seis amostras de má ou muito má qualidade, juntam-se outras oito com qualidade "razoável": rios Tâmega, Douro, Mondego, Alcabrichel, Tejo junto a Alhandra, Sado próximo de Alcácer do Sal e Ribeira Vidigão (Vila Verde de Ficalho).

    Qualidade boa só foi obtida no rio Corgo (Vila Real), Vouga (S.Pedro do Sul), Tejo em Constância e Guadiana (Serpa).

    Das 20 amostras, só duas conseguiram obter uma qualidade de água excelente, nos rios Tâmega (Amarante) e no Zêzere (Constância).

    A Quercus recolheu apenas uma amostra em cada um destes rios.

    "Reconheço que não é um estudo completo, que para o ser deveria ter mais amostras. Mas isso implica uma logística que a associação não possui", adiantou Heldér Spínola.

    Mas os resultados desta amostragem vão ao encontro do que o próprio Instituto da Água tem revelado nos últimos anos, ao reconhecer que a qualidade da água tem ainda níveis muito baixos em Portugal.

    "Os principais focos de poluição continuam a ser os esgotos domésticos, que não têm ou têm um tratamento deficiente, o abandono de resíduos que contamina as linhas de água e as escorrências de campos de cultivo por se usarem pesticidas em excesso", explicou.

    Para a Quercus, o "estado normal" dos rios portugueses deveria significar uma prevalência da qualidade boa e não da razoável, como acontece actualmente: "A má ou muito má qualidade deveria acontecer em casos pontuais. É preciso tomar medidas urgentes para travar os focos de poluição", defendeu.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.