Código Contributivo

UGT acusa oposição de conivência com fraude


 

Lusa / AO online   Economia   27 de Nov de 2009, 15:36

A UGT considerou esta sexta-feira inadmíssível a suspensão da entrada em vigor do Código Contributivo e acusou os partidos da oposição de serem coniventes com a fraude e a fuga às contribuições para a Segurança Social.
"É inadmissível que o Código Contributivo não entre em vigor em Janeiro, como estava previsto, o que vai impedir o reforço das medidas de combate à fraude, por isso os partidos da oposição são coniventes com a fraude e fuga às contribuições para a Segurança Social", disse à agência Lusa o secretário-geral da UGT, João Proença.

João Proença, que foi um dos subscritores do acordo de concertação social que serviu de base ao Código Contributivo da Segurança Social, salientou que o diploma integra duas matérias diferentes: as taxas contributivas (cujas alterações entrariam em vigor em Janeiro de 2011) e o combate à fraude.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.