Julgamento

Tribunal birmanês condena activistas pro-democracia a 65 anos de prisão


 

Lusa/AOonline   Internacional   11 de Nov de 2008, 11:33

Um tribunal birmanês condenou 14 activistas pró-democracia a 65 anos de prisão cada, na ausência de advogados de defesa, segundo familiares.
Os elementos do grupo Estudantes da Geração 88 foram condenados por um tribunal, na prisão Insein, em Rangun.

    Os familiares afirmam que na audiência não estiveram presentes advogados de defesa nem familiares, e que souberam das condenações por guardas prisionais.

    O grupo Estudantes da Geração 88 é constituído por antigos dirigentes estudantis que dirigiram a revolta de 1988 contra o regime militar birmanês, violentamente reprimida.

    Após a rebelião de 88, na sequência da qual sofreram pesadas penas de prisão e tortura, os activistas foram libertados, tendo retomado a militância a favor da democracia.

    Em 2007, protestos pró-democracia, nos quais foi marcada a presença de milhares de monges budistas, estenderam-se a todo o país antes de serem violentamente reprimidos pelo exército, deixando pelo menos 31 pessoas mortas, segundo as Nações Unidas.

    Nessa altura, milhares de pessoas foram detidas.

    Em Outubro, grupos internacionais de defesa dos direitos humanos afirmaram que a junta militar mantinha detidos mais de 2.100 prisioneiros políticos.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.