Três suspeitos de ataque terrorista que feriu português em França ficam presos

Três suspeitos de ataque terrorista que feriu português em França ficam presos

 

Lusa/Ao online   Internacional   20 de Out de 2018, 17:19

Três dos seis detidos por suspeitas de envolvimento no ataque terrorista de março deste ano em Carcassonne e Trèbes, no sul de França, que causou quatro mortes e 15 feridos, um dos quais português, ficaram presos, anunciou fonte judicial.

A fonte disse hoje à agência de notícias francesa France-Presse (AFP) que os outros três elementos do grupo, todos detidos na terça-feira por proximidade com o autor do ataque, Radouane Lakdim, de 25 anos, saíram em liberdade e não serão acusados neste processo.

Segundo um documento judicial, citado pela AFP, os três homens que ficaram em prisão preventiva estão indiciados por “conspiração criminosa de terroristas” e, um deles, também por “posse de armas” com fins terroristas.

A operação que levou à detenção dos seis suspeitos, na terça-feira, foi ordenada por juízes de instrução responsáveis pelo processo, e aconteceu quase sete meses após os ataques de 23 de março, reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Os ataques terroristas ocorreram em Carcassonne e Trèbes e provocaram cinco mortos, incluindo o autor do ataque, Radouane Lakdim, de 25 anos.

Os atentados fizeram ainda 15 feridos, incluindo o cidadão português Renato Silva, de 26 anos, que foi baleado na cabeça e esteve mais de um mês hospitalizado.

Horas depois do ataque, a polícia deteve a noiva de Radouane Lakdim e um menor da família.

Lakdim tinha dupla nacionalidade marroquina e francesa e antecedentes por delitos comuns, tendo cumprido pena de prisão em 2016.

Estava sinalizado por risco de radicalização e era vigiado pelos serviços secretos franceses pelas ligações ao grupo extremista.

Lakdim começou o seu ataque durante a manhã em Carcassonne, onde matou uma pessoa e feriu várias, tendo depois seguido para Trèbes, onde fez mais três mortes, incluindo a de um polícia que se ofereceu para trocar de lugar com um dos reféns, e onde acabaria por ser abatido pela polícia.




Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.