Talibãs atacam 7 camiões de abastecimento da NATO

Talibãs atacam 7 camiões de abastecimento da NATO

 

Lusa/AO Online   Internacional   12 de Dez de 2011, 07:24

Sete camiões de abastecimento de gasolina para a NATO foram destruídos no Paquistão, tendo um motorista morrido, num contexto de fortes tensões com os EUA depois de um bombardeamento que matou 24 paquistaneses em novembro.

Segundo avançou hoje a polícia local, este foi o segundo ataque na região sudoeste do Paquistão, zona de talibãs separatistas, onde os transportes de abastecimento da NATO têm sido bloqueados nas últimas semanas.

O ataque aconteceu no domingo à noite em Dadar, a cerca de 90 km de Quetta, a capital de Baluquistão, depois de o comboio de camiões ter sido impedido de atravessar a fronteira afegã.

"Oito homens armados e montados em motos aproximaram-se dos camiões e ordenaram que parassem começando a queimar as cisternas", disse à AFP um polícia local, Inayat Bugti.

O motorista de um dos camiões foi atingido por uma bala e morreu instantaneamente”, tendo “os assaltantes queimado o camião cisterna de seguida, antes de fugirem”, contou.

O ataque não foi ainda reivindicado, mas as autoridades acusam frequentemente os rebeldes talibã, constantemente em guerrilha contra os 140 mil soldados da NATO no Afeganistão.

Os camiões, que pertencem a empresas privadas paquistanesas de transportes sob contrato da NATO, são regularmente atacados e incendiados entre o porto Karachi, onde são carregados, e a fronteira afegã.

Já na quinta-feira, pelo menos 34 camiões de abastecimento da NATO foram destruídos num atentado em Quetta, tendo ficado perdidos quase metade dos mantimentos e equipamentos destinados às tropas da Aliança Atlântica estacionadas no Afeganistão.

O primeiro-ministro paquistanês, Yousuf Raza Gilani, afirmou no domingo que os bloqueios poderão ainda durar várias semanas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.