Presidência UE

Sócrates e Barroso preparam acordo de livre comércio com a Índia


 

Lusa/Ao online   Nacional   29 de Nov de 2007, 07:19

Os presidentes em exercício da UE, José Sócrates, e da Comissão Europeia, Durão Barroso, deverão concluir com o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, sexta-feira, em Nova Deli, as negociações para um acordo de livre comércio e investimento.
Os presidentes em exercício da UE, José Sócrates, e da Comissão Europeia, Durão Barroso, deverão concluir com o primeiro-ministro da Índia, Manmohan Singh, sexta-feira, em Nova Deli, as negociações para um acordo de livre comércio e investimento.

    A eventual conclusão das negociações para o acordo de livre comércio e investimento deverá ser um dos factos que mais marcará a VIII Cimeira entre União Europeia e Índia, que se realizou pela primeira vez em 2000, durante a última presidência portuguesa da UE.

    De acordo com dados dos executivos de Bruxelas e de Nova Deli, União Europeia e Índia trocam anualmente 47 mil milhões de euros em bens e dez mil milhões de euros em serviços, esperando-se que o acordo de livre comércio possa depois aproximar os dois blocos do seu potencial máximo ao nível de transacções comerciais e financeiras.

    Segundo fonte diplomática, a área económica "será preponderante" na cimeira entre União Europeia e Índia, que se reconhecem como parceiros estratégicos desde 2004.

    Na área política, a mesma fonte adiantou à agência Lusa que as delegações europeia e indiana "pretendem dar um novo impulso às relações bilaterais".

    "Na agenda da cimeira, estará seguramente a análise à situação entre a Índia e o Paquistão, a cooperação na luta contra o terrorismo (a principal prioridade do Governo de Nova Deli nesta área), o programa nuclear do Irão e o combate às alterações climáticas", referiu à Lusa fonte do executivo de Lisboa.

    As delegações da União Europeia e do Governo de Nova Deli deverão ainda abordar questões como a cooperação nas áreas científica e tecnológica, na educação e saúde.

    No primeiro ponto do programa, sexta-feira, ainda antes do começo da cimeira, o presidente em exercício da UE depõe uma coroa de flores no memorial a Mahatma Gandhi.

    Após a cimeira, que tem uma duração prevista de duas horas, Sócrates e Durão Barroso estarão num almoço oferecido pelo chefe do Governo da Índia e encontram-se depois a Presidente da República, Pratibha Devisingh Patil.

    Tal como aconteceu em Pequim no início deste semana, por ocasião da cimeira entre União Europeia e China, também em Nova Deli se realizará uma cimeira empresarial.

    Segundo fonte do executivo de Lisboa, participarão neste encontro empresarial cerca de 600 investidores de Estados-membros europeus, 30 dos quais portugueses.

    O objectivo desta cimeira empresarial "é favorecer a troca de experiências e o cruzamento de informações, tendo em vista potencial as relações económicas", acrescentou a mesmo fonte.

    Terminada a cimeira entre União Europeia e o Governo de Nova Deli, o primeiro-ministro inicia no final de sexta-feira e durante o dia de sábado uma visita oficial à Índia - a primeira de um chefe do Governo português.

    Também ao nível bilateral, a principal prioridade do Governo de Lisboa é aumentar as relações económicas com a Índia, através de um incremento das exportações nacionais para um mercado com 1100 milhões de habitantes.

    O Governo português pretende ainda captar investimentos de multinacionais indianas para Portugal e tentar remover obstáculos para a entrada de investidores nacionais no mercado indiano.

    Na visita bilateral, José Sócrates estará acompanhado pelo ministro da Economia, Manuel Pinho, pelos secretários de Estado João Gomes Cravinho (Negócios Estrangeiros) e Laurentino Dias (Desporto), sendo também provável a presença do ministro da Ciência e da Tecnologia, Mariano Gago.

    Com a visita à Índia, o primeiro-ministro completa o seu ciclo de viagens às chamadas potências emergentes na economia mundial, casos do Brasil, Rússia, Índia, China e Angola - uma das principais prioridades da política externa nacional.

   

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.