Sindicatos aconselham trabalhadores a não participarem na paralisação convocada pelos patrões

Sindicatos aconselham trabalhadores a não participarem na paralisação convocada pelos patrões

 

lusa   Economia   30 de Mai de 2010, 12:49

A Federação dos Sindicatos dos Transportes Rodoviários e Comunicações aconselhou os trabalhadores do setor a não participarem na paralisação de 07 de junho convocada pelas transportadoras.

"Vamos aconselhar os trabalhadores a não participarem nesta forma de luta, uma vez que no pacote de reivindicações que os patrões fazem ao Governo está uma mexida no Código de Trabalho, logo uma medida contra os trabalhadores. Devem ser os patrões a lutar e não a usarem os trabalhadores", afirmou Vítor Pereira, dirigente da federação.

A Associação Nacional das Transportadoras Portuguesas (ANTP) aprovou hoje uma paralisação nacional para dia 07 de junho e anunciou que a partir de segunda-feira os camionistas deverão conduzir a 40 quilómetros/hora.

“Está marcada uma paralisação para o dia 07 de junho. Deixamos aqui o repto a todos os transportadores para aderirem”, afirmou o presidente da estrutura, Silvino Lopes, no final de uma reunião que juntou cerca de 70 empresários.

Em declarações à agência Lusa, o sindicalista Vítor Pereira acrescentou que "qualquer paralisação em Portugal para ser legal terá de ser marcada pelos sindicatos e não pelas entidades patronais".

Os associados da ANTP reivindicam do Governo a aplicação da diretiva comunitária que permite a redução de oito cêntimos no litro do gasóleo e a alteração da lei das contraordenações.

Exigem, igualmente, a não introdução de portagens nas autoestradas sem custos para o utilizador (SCUT), a redução em 13 por cento do custo das autoestradas para os transportes públicos de mercadorias pesadas e a alteração do Código do Trabalho.

Segundo o dirigente, nos últimos anos “mais de 3500 empresas fecharam”.

“Acho que isto é grave num universo de 14 000 empresas”, observou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.