Serviços bancários por mensagem escrita são uma revolução em África

Serviços bancários por mensagem escrita são uma revolução em África

 

Lusa / AO online   Economia   2 de Dez de 2012, 11:20

Os serviços bancários por SMS são considerados uma revolução em África, onde a baixa penetração da Internet potenciou uma tecnologia que é acessível, simples, eficaz e barata.

 

Através de uma mensagem escrita, é possível a pessoas sem conta bancária transferir dinheiro, pagar um produto ou um serviço, emprestar ou liquidar um empréstimo.

A responsável pela disseminação foi a Safaricom, uma operadora queniana que em 2007 lançou o M-Pesa, serviço que, passados apenas cinco anos, é usado por 15 milhões de clientes.

Funciona de forma simples: basta uma pessoa levar o dinheiro a um agente e o número de telemóvel do destinatário pretendido para o valor ser creditado no recipiente.

O custo é também inferior ao de sistemas de transferências de numerário mais convencionais e não depende da Internet, que em África está pouco espalhada e precisa de equipamentos onerosos.

Pelo contrário, os SMS podem ser trocados entre equipamentos básicos de telemóvel, tecnologia muito popular e em expansão no continente, com cerca de 700 milhões de utilizadores estimados.

Isto propicia o desenvolvimento de outros serviços, como o Mobiashara, da SlimTrader, que permite comprar até bilhetes de avião por mensagem escrita.

Por exemplo, um estudo científico editado este ano na publicação PLOS Medicine por uma equipa do Centro de Medicina Tropical da Universidade de Oxford referia a utilidade dos SMS no combate à malária, ultrapassando as dificuldades de comunicação com áreas rurais.

Os autores sugerem que as mensagens escritas podem ser úteis no acompanhamento da terapia e da evolução da situação, não só junto do paciente mas também do técnico de saúde.

Um reflexo da importância dos SMS em África foi o "retrocesso" que a Google - que tem investido tanto em sistemas operativos, telemóveis e tablets - realizou em julho deste ano: introduziu uma versão para esta tecnologia do serviço de correio eletrónico Gmail em alguns países que não precisa de internet.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.