Rio quer saber se “é mesmo verdade” que golas inflamáveis foram mais caras que o habitual

Rio quer saber se “é mesmo verdade” que golas inflamáveis foram mais caras que o habitual

 

Lusa/Ao online   Nacional   27 de Jul de 2019, 21:25

O presidente do PSD questionou este sábado se “é mesmo verdade” que a empresa do marido de uma autarca socialista vendeu a preços superiores aos de mercado as golas feitas em material inflamável que foram distribuídas à população.

Através da sua página oficial na rede social ‘Twitter’, Rui Rio quis saber “é mesmo verdade” que “uma empresa de turismo, criada há poucos meses pelo marido de uma autarca do PS”, vendeu um “produto inflamável para usar durante os incêndios a preços muito superiores aos de mercado”.

A mensagem que Rui Rio divulgou hoje no ‘Twitter’ é acompanhada de uma notícia da revista Sábado, que refere que a empresa Foxtrot – Aventura, Unipessoal Lda foi constituída em dezembro de 2017 e é detida por Ricardo Fernandes, marido da presidente da Junta de Freguesia de Longos, em Guimarães (distrito de Braga).

De acordo com a notícia, esta empresa está registada como sendo dedicada a “turismo de natureza” e “exploração de parque de campismo e caravanismo”.

Já na sexta-feira, depois de esta polémica ter sido noticiada, o líder do PSD escreveu na sua conta na mesma plataforma: “comprar material inflamável para usar durante um incêndio? Nem sei bem o que dizer”.

O Jornal de Notícias noticiou na terça-feira que 70 mil golas antifumo fabricadas com material inflamável e sem tratamento anticarbonização, que custaram 125 mil euros, foram entregues pela proteção civil no âmbito do programa "Aldeia Segura" e "Pessoas Seguras".

De acordo com o jornal, as golas antifumo, fabricadas em poliéster, "não têm a eficácia que deveriam ter: evitar inalações de fumos através de um efeito de filtro".

Entretanto, a Proteção Civil esclareceu que os materiais distribuídos no âmbito dos programas "Aldeias Seguras" e "Pessoas Seguras" não são de combate a incêndios nem de proteção individual, mas de sensibilização de boas práticas.

Questionado sobre o assunto, o ministro da Administração Interna disse hoje que é "irresponsável e alarmista" a notícia sobre as golas antifumo com material inflamável distribuídas no âmbito do programa "Aldeias Seguras". Eduardo Cabrita sublinhou a importância do trabalho que está em curso em mais de 1.600 aldeias do país e assegurou que a distribuição das golas antifumo não põe em causa nem o projeto nem a segurança das pessoas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.