Greve dos pilotos "é irresponsável" e gera quebra de receitas signitivativa

Greve dos pilotos "é irresponsável" e gera quebra de receitas signitivativa

 

Lusa/AO Online   Nacional   18 de Set de 2012, 10:47

A greve dos pilotos de barra "é irresponsável" e gera uma quebra de receitas significativa para o país, disse à agência Lusa o vice-presidente da Associação Portuguesa das Agências de Viagem e Turismo (APAVT), João Welsh.

“São greves irresponsáveis porque geram quebras de receitas e essas quebras de receitas significativas para o país não ajudam, mas sim ainda agravam mais a situação do país”, defendeu.

O vice-presidente da APAVT disse não compreender como é que os trabalhadores portuários e os pilotos têm uma atitude com este nível de irresponsabilidade e que afetam tantos outros portugueses.

A greve dos pilotos de barra começou às 00:00 de segunda-feira e termina às 24:00 de hoje, seguindo-se na quarta e quinta-feira uma dos estivadores e na sexta e próxima segunda a paralisação dos trabalhadores das administrações portuárias.

Durante a greve dos pilotos de barra estão previstos serviços mínimos, que, segundo o sindicato, serão cumpridos em emergências e situações de socorro em que estejam em causa pessoas e bens.

“Até à próxima semana estamos a falar em cerca de 16 navios que poderão deixar de escalar nos portos portugueses e por isso estamos a falar de uma quebra de receitas de milhões de euros que deixam de entrar no país”, explicou o responsável.

Segundo João Welsh, esta situação “também põe em causa num médio e longo prazo todo o trabalho que tem sido feito ao longo das últimas décadas para atrair estes navios” para os portos portugueses.

“Esta situação cria insegurança junto das companhias de cruzeiro, o que poderá afetar escalas nos próximos anos. Todos sabemos o que aconteceu na Grécia, onde, com todas as greves, muitas das companhias de cruzeiro deixaram de escalar”, alertou o vice-presidente da APAVT.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.