PSD alerta para "consequências nefastas" de endividamento das empresas públicas nos Açores

PSD alerta para "consequências nefastas" de endividamento das empresas públicas nos Açores

 

Lusa/AO Online   Regional   21 de Nov de 2013, 13:02

O PSD disse hoje que só o Governo dos Açores não está preocupado com o endividamento do setor empresarial público regional, sublinhando que o Tribunal de Contas e toda a oposição têm alertado para as "consequências nefastas" dessa situação.

"Só o Governo é que parece não estar preocupado com isso", afirmou o deputado do PSD no parlamento dos Açores António Marinho, numa conferência de imprensa em Ponta Delgada, acrescentando que o executivo regional socialista continua a possibilitar "que cresça a dívida do setor público empresarial".

Alertando de novo para as "consequências muito nefastas para os Açores" do aumento desse endividamento, António Marinho considerou que o Governo Regional "deve ter a preocupação que tem o Tribunal de Contas e que tem a oposição em geral".

O deputado lembrou que há algumas semanas, numa interpelação ao Governo dos Açores sobre esta matéria, toda a oposição com assento no parlamento regional tomou uma "posição clara", alertando para o problema e, tal como o TdC, sublinhando o caso do setor da saúde.

O presidente do Tribunal de Contas (TdC) manifestou na quarta-feira “preocupação” com o aumento do endividamento das empresas públicas dos Açores.

Guilherme d’Oliveira Martins falava aos jornalistas em Ponta Delgada, depois de entregar os pareceres do TdC sobre a Conta da Região Autónoma dos Açores de 2012 e do parlamento regional ao vice-presidente da Assembleia Legislativa açoriana.

“Se é certo que houve uma redução do limite de endividamento direto houve um aumento maior relativamente ao limite de endividamento das empresas públicas regionais, o que, para nós, é algo que merece consideração”, declarou.

Dizendo ser ainda cedo para fazer uma análise aprofundada do parecer do Tribunal de Contas, o deputado António Marinho destacou porém que o PSD partilha das preocupações manifestadas já pelos responsáveis do TdC, acrescentando que o tribunal as repete sistematicamente todos os anos.

 



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.