PS pede penalização de partidos da austeridade, PSD lamenta demagogia

PS pede penalização de partidos da austeridade, PSD lamenta demagogia

 

Lusa/AO Online   Regional   18 de Set de 2013, 07:40

O líder do PS/Açores reiterou que as autárquicas deste ano servem também para penalizar os partidos que "na República" impõem "austeridade sem sentido", uma mensagem que o presidente do PSD/Açores qualificou como demagógica.

 

O presidente do PS/Açores, Vasco Cordeiro, que lidera também o Governo Regional, esteve na terça-feira à noite na apresentação da candidatura socialista à Câmara de Vila do Corvo, onde repetiu a mensagem de que, nestas eleições, não está apenas em causa a escolha do melhor projeto para cada um dos concelhos.

Cordeiro apelou à penalização dos partidos que "na República" querem "acabar com freguesias" e "carregar cada vez mais austeridade em cima das pessoas", que "cortam pensões e atacam reformados" ou fazem um "ataque sem precedentes" à juventude.

Referindo uma notícia do dia, Vasco Cordeiro apontou o eventual fecho de repartições de finanças que, segundo um sindicato do setor, afetará especialmente os Açores, para considerar que só o voto no PS "defende as pessoas, o poder local forte e o desenvolvimento" de todos os concelhos.

O presidente do PSD/Açores, Duarte Freitas, por seu turno, citado num comunicado do partido, lamentou que “alguns partidos estejam interessados apenas em fazer guerrilha política nestas eleições autárquicas em vez de se concentrarem no mais importante: apresentar projetos para as suas terras que ajudem a vencer a maior crise económica e financeira da autonomia”.

“Nesta campanha autárquica, da parte dos nossos adversários, já se viu de quase tudo: desmentem-se uns aos outros, atacam o Governo da República e até andam por aí a dizer que o PSD/Açores quer extinguir juntas de freguesias quando isso, além de ofensivo, nem sequer é verdade, porque o mapa autárquico aprovado não extinguiu qualquer freguesia na região”, afirmou Duarte Freitas.

“À demagogia dos socialistas, nós respondemos com projetos, à crítica sem sentido, nós respondemos com ideias e ao esbanjamento de dinheiro nós respondemos com uma postura respeitadora das dificuldades das açorianas e dos açorianos”, acrescentou.

O líder dos sociais-democratas repetiu também a mensagem que tem transmitido nas últimas semanas: que a maioria das pessoas que integram as listas do PSD nestas eleições são independentes "comprometidos apenas com o desenvolvimento dos seus concelhos”.

O PS está à frente de 12 das 19 Câmaras dos Açores, sendo as restantes sete geridas pelo PSD.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.