"Privatização das cantinas deve servir de exemplo"


 

Luísa Couto   Regional   17 de Out de 2008, 11:40

No penúltimo dia de campanha foi a educação que dominou a agenda do Bloco de Esquerda (BE), com a coordenadora regional do partido, Zuraida Soares, a reunir com o Sindicato dos Professores da Região dos Açores. Um encontro do qual saíram conclusões e “estados de alma” que, no entender dos bloquistas, em  nada potenciam um melhor sistema de ensino nas ilhas.
No final da reunião com o sindicato, o BE dava conta do “estado de saturação em que vive a classe docente, que leva a aposentações antecipadas”, contribuindo para tal medidas como, por exemplo, o processo de avaliação, o excesso de alunos por  turma ou “a  imensa burocracia nas escolas que  lhes  retira  tempo para os alunos”.   
Por tudo isso, Zuraida Soares voltou a insistir na necessidade de se revogar o actual estatuto do professor, restringir as turmas a um máximo de 20 alunos, para além de se apostar em mais professores e técnicos para os alunos com necessidades.
Outra das questões que mais indignação surtiu nos bloquistas diz respeita às refeições disponibilizadas nas escolas.
“Actualmente, nem todas as cantinas dos Açores asseguram uma refeição  a crianças e jovens , o que nós consideramos  uma falha quanto a um princípio elementar de democracia. Quem tem fome ou está mal alimentado não tem as mesmas capacidades de aprendizagem que outro jovem que não tem nenhum problema deste tipo”, refere a dirigente regional do BE e candidata pelo círculo de São Miguel.
“Mas mesmo assim, nas cantinas que servem refeições quentes este ano lectivo -porque foram privatizadas- os preços  subiram substancialmente, tornando-se inacessíveis a muitas bolsas. Para além disso, na sua maioria, a qualidade decresceu”, acrescenta  Zuraida Soares, recordando que essa situação deu origem, recentemente, a uma manifestação  de alunos na Escola Secundária da Ribeira Grande.
“Isto é um bom exemplo para todos nós pensarmos  no que é que as futuras privatizações , anunciadas em diversos sectores tão essenciais e tão vitais para o desenvolvimento dos Açores, vão  nos trazer: subida de preços e baixa de qualidade”, alerta a candidata bloquista.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.